Caso Henry: defesa de Jairinho e Monique pede liberdade do casal

Os advogados entraram com pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Rio. Padrasto e mãe do menino estão presos acusados pela morte

atualizado 10/04/2021 12:09

Jairinho e mãe Monique de Henry são presos por morte do menino no Rio 1Aline Massuca/Metrópoles

Rio de Janeiro – Os advogados do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), e da professora Monique Medeiros entraram com pedido de liberdade do casal no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Padrasto e mãe do menino Henry Borel Medeiros, de 4 anos, são acusados pela polícia da morte do menino no dia 8 de março.

No documento, segundo o G1, André França Barreto alega que os clientes “se encontram submetidos a manifesto constrangimento ilegal” e afirma que não havia necessidade de ficarem presos.

“A autoridade coatora [referência à juíza Elizabeth Machado Louro] está, nitidamente, justificando os arbitrários meios pelos deturpados fins, impulsionada pela tradicional voz das ruas, cujo coro insiste em ecoar pela história das civilizações, perseguindo os hereges de cada era”, escreveu a defesa. Os advogados criticam ainda a apreensão de aparelhos de telefones celulares e computadores sem o devido lacre para preservar as provas no dia 26 de março.

O pedido de liberdade foi encaminhado ao presidente da Corte, Henrique Figueira.

Caso Henry Borel

O casal foi preso na última quinta-feira (8/4), em Bangu, em um endereço da tia do padrasto que a polícia não tinha. Os dois foram descobertos porque estavam sendo monitorados por agentes da 16ª DP (Barra da Tijuca) há dois dias.

Desde o início das investigações, os dois alegam acidente doméstico, mas laudo cadavérico aponta para morte violenta do garoto.

Nesta sexta-feira (9/4), a bancada do PSol do Rio de Janeiro entrou na Justiça com ação popular pedindo a suspensão do mandato de Jairinho.

0

Últimas notícias