Bolsonaro recebe coração de dom Pedro I no Planalto na próxima terça

Relíquia ficará 20 dias em território brasileiro, como parte das celebrações do Bicentenário da Independência

atualizado 19/08/2022 13:31

Coração de D. Pedro/Facebook/Reprodução

O coração de dom Pedro I (foto em destaque) chegará ao Brasil na segunda-feira (22/8) para as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil. Segundo a Presidência da República, haverá uma solenidade para receber a relíquia no Palácio do Planalto na próxima terça-feira (23/8), às 17h, com presença do presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL).

Após a cerimônia no Planalto, está previsto um evento de apresentação da relíquia ao corpo diplomático, no Palácio Itamaraty. O coração ficará quase 20 dias em território brasileiro e ficará exposto em sala especialmente preparada, no Palácio Itamaraty, até o 7 de setembro. Retornará ao Porto no dia 8 daquele mês.

Em abril deste ano, conforme antecipou o Blog do Noblat, do Metrópoles, o Ministério das Relações Exteriores iniciou as tratativas com as autoridades portuguesas para envio do órgão para participar das celebrações de 7 de setembro.

O desejo de trazer o coração de dom Pedro para o Brasil surgiu após o embaixador George Prata viajar a Portugal. O diplomata faz parte da coordenação do evento de comemoração do Bicentenário da Independência brasileira.

A relíquia viaja do Porto para Brasília em avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e será recebida com honras de chefe de Estado, na segunda. Isso inclui a recepção com uma salva de canhão e o acolhimento por parte da guarda especial do presidente da República, os Dragões da Independência, com guarda a cavalo e trajes a rigor.

“O translado da cidade do Porto até o Brasil será feito por uma aeronave VC-99 do Grupo de Transporte Especial (GTE) e a recepção acontece na Base Aérea de Brasília, com honras de chefe de Estado, com pouso previsto para 9h30 da manhã”, avisa um comunicado da FAB.

A responsabilidade pelo transporte ficará a cargo de Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto — onde o coração do imperador (chamado de Pedro IV em Portugal) fica exposto.

Margens do Ipiranga

A ossada de dom Pedro I esteve no Brasil pela última vez em 1972, para comemoração dos 150 anos da Independência. Na época, os ossos do imperador foram levados até o local onde ele teria proclamado liberdade em relação a Portugal nas margens do Rio Ipiranga, em São Paulo.

O coração de Dom Pedro está guardado em um recipiente de vidro na Igreja de Nossa Senhora da Lapa, no Porto, desde 1837. A cada 10 anos, é trocado um líquido, com base em formol, que o mantém preservado.

Havia, por parte de autoridades portuguesas, resistências ao envio do coração do primeiro imperador brasileiro. Elas consideravam a operação de transporte arriscada, mesmo que fosse temporário o período de permanência do órgão no Brasil. O receio de setores contrários justifica-se diante da delicadeza exigida na execução do translado.

7 de Setembro

Entre os dias 6 e 10 de setembro, o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, virá ao Brasil comemorar os 200 anos da Independência, atendendo ao convite do presidente Bolsonaro a líderes de países de língua portuguesa.

Os desfiles militares no dia 7 de setembro voltarão à Esplanada dos Ministérios após dois anos de hiato por causa do agravamento da pandemia. São esperados pelo menos 4,5 mil militares, número similar aos anos anteriores.

Bolsonaro tem usado a data para convocar apoiadores a irem às ruas para mandar mensagens aos “poucos surdos de capa preta”, em referência a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A militância já organiza caravanas para Brasília no feriado da Independência.

Mais lidas
Últimas notícias