Bolsonaro é retratado como criminoso de guerra em vídeo sobre Amazônia

Vídeo Climate War, com versões em inglês, espanhol, francês e alemão, marca início de uma nova "agenda de autodefesa" dos povos indígenas

atualizado 13/01/2021 15:41

Presidente Jair Bolsonaro Solenidade de Ação de Graças palacio planalto agenda presidente 1Igo Estrela/Metrópoles

O vídeo Climate Wars, lançado nas redes sociais nesta quarta-feira (13/1), em formato de paródia dos noticiários cinematográficos produzidos durante a Segunda Guerra Mundial, apresenta o presidente Jair Bolsonaro como um inimigo climático, que precisa ser parado e responsabilizado por seus crimes, antes que as consequências sejam graves demais para todo o planeta.

A produção questiona se governos e empresas estão agindo para defender ou para destruir a Amazônia, ao massacrar os povos nativos que habitam o bioma há séculos. Além disso, mostra quais setores produtivos estão contaminados pelas atividades ilegais que desmatam, queimam, contaminam rios e matam indígenas.

O formato escolhido, que remete à Segunda Guerra Mundial, visa explicitar que não se trata de crítica a um país, mas a um governante. O vídeo Climate Wars atribui os crimes que estão sendo cometidos na Amazônia a Bolsonaro, não ao Brasil. Ou seja, o ponto central do vídeo é a responsabilização do presidente brasileiro pelo ataque ao clima global, à biodiversidade da floresta e à vida dos povos nativos.

Climate Wars marca também o início de uma nova “agenda de autodefesa” dos povos indígenas. Passada a pandemia, eles darão continuidade aos diálogos diretos com governos e parlamentares europeus e norte-americanos, além de uma aproximação com a China, ainda este ano.

“Queremos que eles apoiem o Brasil, mas da maneira certa, que é nos ajudando a frear a destruição de nossos ecossistemas, recursos naturais e do próprio clima”, declara Sônia Guajajara, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), ao divulgar o vídeo em suas redes sociais.

0

O vídeo traz versões em inglês, espanhol, francês e alemão. Segundo o Conselho Indigenista Missionário, não são mostrados os créditos dos autores por dois motivos: primeiro, porque o foco deve ser a mensagem do vídeo, não as pessoas responsáveis por ele; e segundo, pela assumida perseguição a ativistas que o governo federal vem promovendo, com o uso de instrumentos de Estado e paraestatais.

Apocalipse ecológico

Em determinado trecho do vídeo, o locutor afirma que “Bolsonaro está incinerando nossa esperança de um clima habitável” e caracteriza a situação do Brasil como um “apocalipse ecológico”.

Ainda segundo o vídeo, o chefe do Executivo nacional quebra todos os compromissos estabelecidos no Acordo de Paris e chama o líder do Brasil de tirano.

Também afirma que “milícias devastadoras estão avançando fundo, nos mais importantes ecossistemas do planeta”.

O vídeo encerra com o questionamento “De que lado você está? Amazônia ou Bolsonaro?”.

Últimas notícias