Bolsonarista tentou decapitar eleitor de Lula após discussão política

A vítima foi esfaqueada 17 vezes. De acordo com o delegado responsável pelo caso, os golpes acertaram costas, testa e olho

atualizado 09/09/2022 18:24

Reprodução

O apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL) acusado de matar um colega de trabalho eleitor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no Mato Grosso, tentou decapitar o homem com um machado após esfaqueá-lo.

O delegado Higo Rafael, que atua no caso, disse ao Metrópoles que a vítima levou 15 facadas na testa. O homem ainda foi ferido nas costas e no olho.

O conflito teria começado na quarta-feira (7/9), quando o bolsonarista Rafael Silva de Oliveira, de 24 anos, e Benedito Cardoso dos Santos, de 42, estavam fumando cigarro, começaram a falar sobre política, e se desentenderam.

Em seguida, os dois deram início a uma briga física e, em certo momento, o rapaz esfaqueou o eleitor de Lula.

Segundo informações da Polícia Civil do estado, o suspeito do crime teria demonstrado apoio à reeleição de Bolsonaro. Já Benedito defendia a eleição do principal opositor do governo, Lula.

Para Higo Rafael, “o crime foi cometido por motivo torpe, mediante meio cruel, e estimulado por discussão política”.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

Foram 17 golpes no total. Segundo o delegado, após atingido, Benedito teria xingado Rafael de “filho da puta”, o que deixou o bolsonarista com mais raiva ainda. O agressor pegou um machado e tentou decapitar o colega.

Autuado em flagrante por homicídio qualificado por motivo fútil e meio cruel, Rafael de Oliveira está preso. A Justiça converteu a prisão em preventiva ainda na noite de quinta-feira (8/9). O suspeito confessou o crime após buscar atendimento médico para tratar dos ferimentos causados pela briga com o colega.

“Intolerância não será admitida”

Ao determinar a prisão de Rafael, o juiz Carlos Eduardo Pinho Bezerra Mendes, da 3ª Vara de Porto Alegre do Norte, disse que “a intolerância não deve e não será admitida, sob pena de regredirmos aos tempos de barbárie”.

“Lado outro, verifica-se que a liberdade de manifestação do pensamento, seja ela político-partidária, religiosa, ou outra, é uma garantia fundamental irrenunciável”, diz a peça.

Ainda conforme o despacho do magistrado, a prisão do acusado é necessária para manter a sociedade ciente do crime. “Ademais, por ora, estão presentes todos os requisitos para a custódia cautelar”, assinala.

Segundo o juiz, o suspeito pela morte do eleitor de Lula tem outras passagens pela polícia, como latrocínio, estelionato e falsificação de documento.

Petista morto em festa de aniversário

O episódio envolvendo desavenças políticas não é isolado. Em 9 de julho, o petista Marcelo Aloizio de Arruda, de 50, foi morto a tiros por um apoiador do presidente Jair Bolsonaro, o policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho, em Foz do Iguaçu (PR).

Arruda comemorava o seu aniversário com temática do PT em uma associação esportiva da cidade quando Guaranho entrou com seu carro no local gritando “Aqui é Bolsonaro”. Após discussão, o bolsonarista baleou a o petista, que morreu após ser socorrido.

A Polícia Civil do Paraná concluiu o inquérito e indiciou Guaranho por homicídio duplamente qualificado, motivo torpe e por causar perigo comum. Em 10 de agosto, o bolsonarista recebeu alta hospitalar e, posteriormente, foi preso e levado para penitenciária de São José dos Pinhais.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

Mais lidas
Últimas notícias