metropoles.com

Bolsonarista que matou tesoureiro do PT é levado a penitenciária

Após decisão da Justiça, Guaranho foi para o Complexo Médico Penal (CMP) de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba (PR)

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Redes sociais
Jorge José da Rocha Guaranho, policial penal acusado de matar o petista Marcelo Arruda
1 de 1 Jorge José da Rocha Guaranho, policial penal acusado de matar o petista Marcelo Arruda - Foto: Reprodução/Redes sociais

Acusado de matar o tesoureiro do PT Marcelo Arruda, o policial penal Jorge Guaranho (foto em destaque), 38 anos, já está no Complexo Médico Penal (CMP) de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba (PR).

O juiz Gustavo Germano Francisco Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu, revogou a prisão domiciliar do policial nessa sexta-feira (12/8). “Determino o imediato recambiamento do réu Jorge José da Rocha Guaranho ao Complexo Médico Penal, ambiente prisional mais adequado ao caso”, diz a decisão.

De acordo com o G1, Guaranho chegou ao local na madrugada deste sábado (13/8).

O magistrado afirma que o local “possui condições de garantir a manutenção diária das necessidades básicas do custodiado com supervisão contínua”. Guaranho também foi atingido na ocasião e se recupera dos ferimentos.

A mudança no entendimento ocorre depois foi encaminhado um novo documento afirmando que o Complexo Médico Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, tem sim condições adequadas para receber o bolsonarista.

Dessa forma, o juiz acredita não ser mais necessário manter a prisão domiciliar, que tinha caráter “temporário e excepcional”. Com a revogação, a monitoração eletrônica (uso da tornozeleira) também é suspensa.

Veja a íntegra da nova decisão:

Defesa da família de Arruda comemora

Em nota, os advogados da família de Marcelo Arruda reagiram positivamente à decisão, que entendem como fundamental. “A permanência dele em domiciliar era uma afronta a Justiça, uma vez que o réu cometeu um crime hediondo por intolerância política e, portanto, possuía grande periculosidade além de risco de fuga para o estrangeiro”, diz o pronunciamento.

A defesa dos familiares de Arruda é feita por Ian Martin Vargas, Paulo Henrique Guerra Zuchoski, Daniel de Oliveira Godoy Junior e Andrea Jamur Pacheco Godoy.

O caso

O guarda municipal de Foz do Iguaçu Marcelo Arruda, candidato a vice-prefeito pelo PT nas últimas eleições, foi assassinado a tiros durante sua festa de aniversário de 50 anos, na noite de 9 de julho. A festa tinha como tema o PT e fazia várias referências ao ex-presidente e pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva.

O evento seguia normalmente quando, por volta das 23h, Jorge Guaranho, que se declara apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), foi ao local e discutiu com os participantes. Ele levava no carro a esposa e a filha, um bebê de colo.

Em julho, 0 Ministério Público do Paraná denunciou Guaranho pelo homicídio de Marcelo Arruda. Um dos agravantes apontados pelos promotores foi o “motivo fútil” para o homicídio, “havendo a querela sido desencadeada por preferência política-partidária”. Outra qualificação apontada pelos autores da denúncia foi a possibilidade de a ação “resultar em perigo comum” ou coletivo.

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações