Brasília demorou a ter restaurantes indianos. Há poucos anos, essa lacuna foi sendo aplacada com a chegada de três locais. Alegando que muitos brasileiros não são fãs de comida muito condimentada e apimentada, proprietários dessas casas faziam adaptações, concessões aos paladares tupiniquins.

No Indian House, aberto há poucos meses na 109 Norte, não é bem assim. Os sabores, aromas e temperos de carnes e legumes são autênticos, originais e deliciosamente indianos. Ponto para eles, logo de saída.

Pimenta pouca, média ou muita?
No pedido, o atendente pergunta se a pessoa prefere pouca, média ou muita pimenta. A língua é de cada um. A picância média é suficiente para amantes do sabor mais ardido, como eu. Sugiro começar pelas samosas, espécie de pasteizinhos recheados com batata e ervilhas ou frango, ambos com especiarias levemente picante. No cardápio, há variedade: frango e vegetariana em porções com duas ou quatro unidades (variam de R$ 10 a R$ 20).

A massa, um pouquinho grossa para meu gosto, é frita, mas não há excesso de gordura. Ao morder, faz aquele “croc” e logo se une ao sabor ímpar do recheio. De entrada, tem também o Veggie, Chicken e Fish Pakoda — bolinhos fritos em farinha de grão de bico (de R$ 18 a R$ 25).

Experimentei o de frango. A camada fininha de farinha mantém a umidade da ave e ajuda a conservar o sabor do tempero. Não dá vontade de parar de comer. Ainda mais com o molho caseiro de ervas e pimenta que acompanha. Uma delícia!


Curries são o carro-chefe

O cardápio é extenso. Na culinária indiana há muitos vegetais e isso está refletido no menu. Mas o Indian House também contempla os que gostam de carne vermelha, ave, peixe e camarão. Os curries, carro-chefe da casa, estão em toda parte e são servidos em cumbucas de metal, acompanhados de arroz branco e pedaços de pão indiano. Comi alguns e adorei.

O de legumes vem com cenoura, vagem, ervilha, milho e couve-flor. Foi o mais picante de todos. Embora desconfie que o milho e a ervilha sejam industrializados, o sabor final não foi afetado. Numa fartura destes vegetais, faltou caldo para embalar toda a comida.

O curry de peixe estava perfeito. Pedaços de tamanho médio, tenros, com porção bem servida, picância média e uma profusão de temperos indianos. O sabor surpreende pela autenticidade. Já comi em indianos em Brasília e mundo afora. A comida do Indian House se compara às melhores experiências do gênero. "

Ainda experimentei o Chicken Tikka Masala (R$ 40), cubos de frango assados no tandoor (forno tipicamente indiano) em molho de tomate, cebola e especiarias, e o Muttan Rogan Juice (R$ 45), pedaços de cordeiro ao molho de cebola e especiarias indianas.

Saboríssimos. O que me encantou em ambas as carnes foi a maciez. Em suaves dentadas, ela se desmancha agradavelmente. Além disso, tanto o frango quanto o cordeiro vêm sem aquelas gordurinhas indesejáveis que estragam o mastigar. Nem preciso repetir que o tempero estava divino. A média intensidade da pimenta contrasta com o sabor neutro do arroz e do pão.

O “luxo” está nos ingredientes
O ambiente é simples. Duas lojas transformadas em uma, tijolinhos pintados de preto, toras de madeira forrando as paredes e um enfeite ou outro (foto acima) indicando que ali é uma casa indiana. Mesas e cadeiras de madeira, toalhas de mesa roxa e jogos americanos de plástico branco com detalhes dourados. O “luxo” está nos ingredientes, que são trazidos do país de origem.

Como fica na lateral do último prédio comercial da 109 Norte, a vista é livre – o que proporciona agradável sensação de liberdade. Assim como quando vou ao restaurante New Koto e encontro com frequência japoneses e estrangeiros das embaixadas, o Indian House já vem conquistando clientela “internacional”, interessada em vivenciar a culinária indiana original. É uma bela experiência a ser repetida várias vezes.

Cortês sim; omissa, não.

DEVO IR?
Sim. Prepare a língua.

PONTO ALTO
Curries, sabor autêntico, ingredientes de qualidade.

PONTO FRACO
Atendimento ainda meio displicente.

Indian House (109 Norte, Bloco A, Loja 74, 61 3256-7204).