15 lições básicas sobre vinhos para melhorar seu conhecimento

Os saberes, assim como os vinhos, são mais bem absorvidos e apreciados quando compartilhados

Roberta Sorge/Unsplash

atualizado 09/12/2019 20:52

Sei que assuntos não costumam faltar quando nos reunimos em torno de uma garrafa de vinho. Mas podemos enriquecer o bate-papo com alguns comentários a respeito de fatos inusitados, curiosidades e histórias sobre esta bebida.

Recomendo aos meus leitores que não guardem estas informações só com vocês, afinal, os saberes, assim como os vinhos, são mais bem absorvidos e apreciados quando compartilhados. Confira:

1 – As taças de vinho devem ser enchidas em até 1/3 no máximo. Já as de espumante em 4/5 para melhor apreciação da sua perlage (bolhas).

2 – Girar a taça ajuda a oxigenar o vinho e a liberar mais aromas. Se tiver mais de 1/3 de vinho, vai acontecer uma bagunça quando fizer o movimento.

3 – Segure a taça de vinho sempre pela haste. Segurando pelo bojo, você aquecerá desnecessariamente o vinho com o calor de suas mãos. Só faça isso se estiver tomando um conhaque ou se o vinho estiver muito gelado e precisar ser aquecido para chegar à melhor temperatura de degustação.

4 – Na Grécia antiga, era costume que o anfitrião desse o primeiro gole no vinho para provar que ele não estava envenenado. É daí que vem a expressão “Saúde!”.

5 – A palavra toast (torrada), que até hoje é usada em países de língua inglesa com o significado de brinde, tem origem na Roma antiga, onde era costume colocar um pedaço de torrada (em latim, tostum) dentro da taça para amenizar sabores estranhos e a acidez do vinho. Não pretendo experimentar.

6 – O que dá a cor avermelhada ao vinho tinto são as antocianinas, pigmentos vegetais presentes na casca da uva. Vinhos brancos são fermentados sem a casca, e por isso são brancos.

7 – O vinho branco também pode ser elaborado a partir de uvas tintas. Para isso, o mosto (suco) é separado das cascas logo após a prensagem.

8 – No caso dos rosés, é só manter o contato do mosto com as cascas das uvas tintas por pouco tempo, para que a coloração não chegue a ser tinta.

9 – Os vinhos em geral, principalmente os espumantes, limpam as papilas gustativas da boca eliminando sabores e aromas, assim, quando consumirmos alimentos com gosto forte, o vinho permitirá sentirmos cada porção da comida como se fosse a primeira garfada.

10 – Na perfeita harmonização do vinho com a comida ocorre uma sinergia, que é o que acontece quando o resultado final é maior do que a simples soma das parcelas, transformando dois sabores em um terceiro especial, ou seja, 1 mais 1 é igual a 3.

11 – O vinho quanto mais velho é melhor? MITO!  Os vinhos, de fato, mudam com a idade, alguns para melhor, mas a maioria não. Apenas entre 5% e 10% de todo o vinho produzido no mundo melhora com a idade. Os 90% restantes devem ser consumidos dentro de 5 anos após sua chegada ao mercado.

12 – O vinho é tão presente na Bíblia que, em todo o Velho Testamento, o Livro de Jonas é o único onde não encontramos nenhuma referência ao assunto. Parece que é o de leitura menos interessante, na minha opinião.

 

13 – Os jarros de vinho descobertos na tumba do faraó Tutancâmon, falecido em 1323 A.C., possuíam informações tão específicas sobre ano da safra, produtor e comentários sobre a qualidade da bebida que poderiam passar pela legislação de vários países atualmente.

14 – Com o envelhecimento, vinhos tintos perdem cor, podendo se tornar da cor de tijolo. Já os brancos fazem o processo contrário, adquirindo colorações douradas, amarelo-marrom e até âmbar.

15 – O vinho verde pode ter várias cores, menos verde! Nas margens do rio Minho, em Portugal, fica a região demarcada de Vinho Verde. Ou seja, é a denominação de origem (DOC) que dá nome ao vinho. Portanto, ele pode ser branco, tinto e até rosé, menos verde.

0
Últimas notícias