Estudo encontra agrotóxicos em famosos pães e biscoitos. Veja lista

Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) identificou agrotóxicos em produtos comuns na mesa dos brasileiros, como o biscoito Oreo

atualizado 16/08/2022 13:01

Getty Images

Para manter a saúde em dia, devemos priorizar uma alimentação natural, evitando ultraprocessados — alimentos ricos em açúcares, gorduras e substâncias artificiais. Além de serem prejudiciais ao organismo, esses produtos podem conter agrotóxicos, conforme alerta o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) em nova pesquisa.

Ao analisar 24 itens derivados da carne e do leite, o Idec encontrou resíduos de agrotóxicos em 14 deles. Os produtos foram divididos em oito categorias. Todas apresentaram algum tipo de veneno.

Para se ter ideia, duas das três marcas de requeijão analisadas continham resquícios da substância. Os campeões do veneno, contendo adição de seis tipos de agrotóxico, foram o pão Bisnaguito, da Panco; a bolacha Água e Sal, da Marilan; a bolacha também de Água e Sal, da Vitarella; e o biscoito Trakinas.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Em segundo lugar, contendo cinco agrotóxicos, apareceram o pão Bisnaguinha, da Seven Boys; a bolacha Água e Sal, da Triunfo; a bolacha também de Água e Sal, da Zabet; a Empanada de Frango, da Seara; e o salgadinho Torcida.

Por último, com quatro agrotóxicos, surgiu o famoso biscoito Oreo.

Muitos dos alimentos citados são destinados ao público infantil, fato que preocupou pais e nutricionistas.

Para uma alimentação saudável, opte por produtos in natura ou minimamente processados. Uma forma de identificá-los é por meio da lista de ingredientes. Quanto menor ela for, mais saudável e livre de substâncias químicas o produto será.

Vale ressaltar que, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), as principais doenças relacionadas à intoxicação por agrotóxicos são: arritmias cardíacas, lesões renais, câncer, alergias respiratórias, doença de Parkinson e fibrose pulmonar. Os venenos entram no corpo por meio de contato com a pele, mucosa, pela respiração e ingestão.

(*) Thaiz Brito é nutricionista pós-graduanda em Nutrição Esportiva Clínica

Mais lidas
Últimas notícias