*

Uma coleção de polêmicas. O funkeiro Biel conseguiu mais problemas agora que três mulheres afirmam terem sido vítimas dele, entre 2015 e 2016, quando sua carreira ainda tinha alguma relevância. Encorajadas pela modelo Duda Castro, que denunciou o músico por agressão verbal, sexual e psicológica, elas contaram suas histórias ao jornal Extra.

O primeiro caso é de uma fotógrafa de São Paulo, identificada como J., escalada para cobrir o evento “Twerk Music festival”, no dia 24 de maio de 2015. “No finalzinho da noite, um rapper americano, que era a atração desse evento, entrou no palco, e logo depois o Biel entrou. Pedi licença para o rapper para tirar uma foto e Biel me empurrou, pedindo que me tirasse de perto dele. As pessoas que estavam ali, assistindo, riram de mim, me senti muito humilhada”.

Em outro episódio, a jovem L., de São José dos Campos, garante ter sido assediada por Biel durante uma festa junina na casa do suspeito em Lorena, no dia 12 de julho de 2015. “Ele subiu num balcão, dançou, cantou e eu fiquei no meu canto na hora das fotos. Ele desceu e quis saber por que não posei. Expliquei e ele não gostou. Mais tarde, já alterado, o Biel me empurrou para dentro de um banheiro e tentou transar comigo à força”, relata a estudante.

A terceira acusação veio da modelo G., também de São Paulo. “Achei ele bonitinho e comentei com um amigo em comum. Sem eu saber, ele deu meu telefone para o Biel. Ele me ligou e até participei de um clipe dele. De lá, fomos a uma balada e o vi saindo do banheiro com uma menina, gritando aos quatro ventos que tinha transado com ela. Achei ele um babaca e fui falar sobre o assunto. Ele não gostou do que ouviu, pegou um copo e arremessou em mim. Desviei, só me molhei e o copo se espatifou no chão”.



COMENTE

 
feminicídioagressãoBiel

Leia mais: Feminismo