Veja como ajudar transexuais entrevistadas por Drauzio Varella

Web se mobilizou para ajudar as mulheres transexuais ouvidas pelo médico no Fantástico desse domingo (01/03)

Transexual Lolla na reportagem com Drauzio VarellaReprodução/Rede Globo

atualizado 04/03/2020 21:15

Os telespectadores se comoveram com a reportagem sobre mulheres transexuais exibida no programa Fantástico nesse domingo (01/03). Conduzida por Drauzio Varella, a matéria teve como recorte transexuais encarceradas em presídios brasileiros.

Logo após o fim do programa, a web se mobilizou para tentar encontrar e ajudar algumas dessas mulheres, protagonistas de impactantes histórias de superação. Entre elas, a Lolla, que acaba de conseguir liberdade condicional. Agora, morando com o pai, ela afirma que ficava mais à vontade em expressar sua identidade de gênero na cadeia, em meio à segurança dos guardas, do que no convívio social.

Além de sentir-se coagida, Lolla não tem apoio de amigos e recomeça a vida vestida de palhaça, vendendo água nos semáforos da grande São Paulo.

Nas redes sociais, um perfil foi criado para tentar localizá-la. Depois que ela for encontrada, a ideia é criar uma vaquinha e colher doações para ajudá-la. A iniciativa partiu do técnico de enfermagem Leonardo Vicente, também morador da capital paulista.

“Logo após a reportagem, eu me comovi e me identifiquei com a Lolla. Sou homossexual assumido e senti um pouco do que ela deve sentir neste momento. Começar algo não é nada fácil, recomeçar é mais difícil ainda”, declarou Vicente em entrevista ao UOL.

“Como muitas outras pessoas trans, ela não deve ter o apoio necessário no momento. Ajudá-la foi o meio que eu e outras pessoas conseguimos encontrar para espalhar um pouco do amor que todos deveriam sentir”, complementou.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Este perfil tem como intuito achar a Lolla, uma pessoa que está recomeçando a vida, qualquer tipo de ajuda é válido ❤️

Uma publicação compartilhada por Juntos Com A Lolla (@juntoscomalolla) em

Cartas à mulher sem visitas há oito anos

A internet também se emocionou com a história de Susy. Sem receber visitas há “oito, sete anos”, ela ficou com os olhos marejados ao contar sua trajetória para Drauzio. Visivelmente sensibilizado com o relato, marcado por momentos de extrema solidão, o médico dá um forte abraço na entrevistada.

Após a repercussão da cena, uma usuária do Twitter descobriu onde Susy está institucionalizada e pediu que as pessoas enviassem cartas de apoio a ela. O endereço do presídio está descrito no tuíte abaixo.

Últimas notícias