Síndrome da cabana: entenda por que há quem não queira o fim do isolamento

Fenômeno psicológico, a síndrome consiste no medo de sair de casa após períodos de confinamento. Especialistas elucidam dúvidas sobre o tema

atualizado 31/05/2020 12:08

mulher preocupada olhando pela janelamartin-dm/Getty Images

As primeiras semanas do isolamento social imposto pela pandemia no novo coronavírus foram sufocantes. Aos poucos, entretanto, o fato de as pessoas passarem os dias no conforto do lar, com mais tempo para se dedicarem a hobbies e à família, começou a despertar prazer em milhares de confinados – além de fazer real sentido.

Muitos passaram a repensar seus modos de vida e a levantar questionamentos como: “Afinal, para que sair se posso fazer compras, trabalhar, treinar e até mesmo me divertir dentro de casa, num ambiente acolhedor e livre de riscos?”.

Agora, à medida que as regras de distanciamento vão se afrouxando, a agonia que acomete parte desses indivíduos já adaptados ao formato da quarentena passa a ser exatamente o contrário do pânico inicial diante do confinamento: ter de sair da “toca” e voltar ao convívio social.

Se você faz parte desse time que sente calafrios só de imaginar o retorno para a civilização pós-pandemia, talvez seja mais uma das vítimas da síndrome da cabana – fenômeno psicológico que consiste no medo de sair de casa depois de longos períodos de isolamento.

“O termo síndrome da cabana veio à tona em 1900, no norte dos Estados Unidos. Foi criado para explicar um problema que acometia caçadores. Após passarem meses sozinhos em suas cabanas esperando o rigoroso inverno passar, eles sentiam repulsa em retornar à civilização”, elucida a psicóloga e hipnoterapeuta Sabrina Amaral.

“Esse medo de voltar a conviver em sociedade depois do difícil trabalho de condicionar o cérebro a viver confinado vinha acompanhado de ansiedade e estresse grave, sinais que dificultavam ainda mais a retomada das atividades normais”, emenda.

Por estar extremamente relacionado ao atual período de distanciamento social imposto pela pandemia da Covid-19, “o tema nunca esteve tão em alta”, frisa a especialista.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Síndrome da cabana, você já ouviu falar? Resumidamente ela consiste no MEDO de sair de casa, após longo período em isolamento social. Esse fenômeno psicológico não é novo, e vem sendo estudado clinicamente desde 1900. Considerado uma sensação emocional completamente normal depois de um confinamento, estando longe de ser tratada como um transtorno. Atualmente, dada a situação que estamos enfrentando com o Covid-19, os psicólogos voltaram a atenção para a síndrome da cabana. Surpreendentemente do que se espera, a liberadade e o poder de ir e vir, não é desejado por quem está sofrendo com esta dificuldade de retomar a rotina. Portanto, não alimente mais medos e ansiedades imaginando que você está perdendo o controle da situação. Dado o momento inédito que estamos vivendo, o que você está enfrentando é compreensível. Nestes meses, surgirão inúmeros desafios psicológicos. No entanto, devemos estar preparados, ser sensíveis uns ao outros e ser mais humanos e próximos para que juntos possamos lidar com maior integridade. Buscar ajuda profissional quando necessário é sempre um recurso valioso ao nosso alcance. Arrasta pro lado➡️ . . . ↪Priorize sua saúde mental ↪Faça Psicoterapia ↪Agende seu horário . . . #psicoterapia #sindromedacabana #ansiedade #angustia #medo #confinamento #quarentena #covid19 #psicologiapositiva #psicologia #psicoterapiaonline #facaterapia #psicoterapiainfantil #psicologiacomamor #saudemental #amooquefaco #ouvirnaessencia #autoconhecimento #autoestima #psicologiaclinica #diamelhores #vaificartudobem #juntossomosmaisfortes #consultoriocachoeirinhars

Uma publicação compartilhada por Psicóloga Clínica CRP 07/18027 (@psicologaclaudilenebasei) em

Sintomas

Psiquiatra do Hospital Albert Einstein e presidente do conselho científico da Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata), o médico Luis Felipe Costa e a psicóloga Sabrina Amaral pontuam que os sintomas mas recorrentes da síndrome são:

  • falta de motivação e ânimo; 
  • alteração de humor;
  • perda de memória e concentração;
  • sensação de frustração e impotência;
  • alteração no sono;
  • distúrbio alimentar (ingerir quantidade de comida significativamente maior ou menor do que a consumida habitualmente);
  • ansiedade, que pode vir acompanhada de inquietação, irritabilidade e taquicardia.

De acordo com os especialistas, pessoas naturalmente introvertidas são mais suscetíveis a sofrer desse mal.

0
Medidas para reverter o quadro

Para aliviar a angústia causada pela síndrome da cabana, os profissionais sugerem quatro medidas simples. Além de ajudar no processo de aceitação da ideia de voltar à ativa, os conselhos são capazes de elevar o bem-estar em geral.

1- Respeite seu tempo
A síndrome não é um transtorno psicológico. Portanto, é extremamente normal se encontrar nessa condição emocional após longos períodos de confinamento. Violar o seu ritmo, fazer autojulgamento e comparar os seus sentimentos com os dos outros
pode dificultar a saída desse quadro ou até mesmo agravar os sintomas. Seja gentil consigo e respeite o seu tempo. 

2- Recompense cada pequeno passo
Técnica amplamente usada no universo da terapia, a dessensibilização consiste em diminuir uma condição com doses mínimas e crescentes. Nesse caso, significa que você, quando for sair de casa pela primeira vez, deve priorizar uma simples voltinha de carro. Depois, aumentar a duração do passeio e, quem sabe, visitar um parque. 

No fim de cada simples tarefa cumprida, ainda é importante se recompensar, seja lendo uma frase motivacional ou até mesmo realizando uma atividade prazerosa, como assistir a um filme, preparar uma receita.

3- Você está no controle
Lembre-se de que sair de casa não é como andar em corda bamba ou fazer excursão ao Everest. Traga à memória os bons momentos vividos fora. Entenda, ainda, que você detém o controle de quando voltar para a “toca”. Se sair e se sentir mal, por exemplo, não tem problema voltar às pressas. Um passo de cada vez. Conduza a situação no seu ritmo.

4- Crie uma rotina
O nosso cérebro geralmente se adapta melhor quando seguimos uma rotina. Por isso, estabeleça uma que faça sentido e seja fácil de ser seguida. Inclua exercícios e alimentação saudável na programação. Treinar e comer bem ajudam a manter a energia e motivação em alta.

Quando procurar ajuda

Se perceber que o comportamento não melhora, pelo contrário, se agrava, busque orientação profissional.

“Se os sintomas clássicos da síndrome da cabana perpetuarem por mais de duas semanas, procure ajuda. Atualmente, com a telemedicina, é possível se consultar e receber prescrição médica sem sair de casa”, enfatiza o psiquiatra Luis Felipe. 

O médico alerta que a síndrome, quando não monitorada e tratada, pode desencadear quadro depressivo grave.

“Esses sintomas persistentes, principalmente quando aliados a crises de autoestima, podem indicar, sim, uma patologia. Na dúvida, consulte um profissional para decodificar o seu caso”, indica.

Últimas notícias