Confira quais são os prós e contras do trabalho home office

De acordo com uma pesquisa, a modalidade de trabalho no Brasil aumentou 50% entre 2014 e 2015. No entanto, algumas empresas ainda estão resistentes em aderir a ideia

atualizado 27/07/2016 20:38

De acordo com a pesquisa Home Office Brasil idealizada pela SAP Consultoria, o número de companhias que apostam na prática de trabalhar em casa cresceu 50% entre 2014 e 2015. A pesquisa ouviu 325 empresas de diferentes tipos e regiões do país e acabou por provar que o home-office já é mais que uma realidade no Brasil.

Um bom exemplo de como essa nova forma de enxergar o exercício do trabalho, vem com as redações jornalísticas. Uma em questão foi o escritório do site de Julia Petit. Em um vídeo recente publicado em sua plataforma do YouTube, a jornalista afirmou que decidiu fechar a casa onde tinha sua equipe após perceber que ter um escritório é uma prática “antiga, cara e completamente desnecessária” para o que ela fazia.

Agora, todos os jornalistas que faziam parte da equipe de Julia trabalham de casa. “As pessoas acham que um veículo precisa de uma redação. Por isso que acaba falindo porque chegou num ponto de custo e num mundo novo que as verbas reduziram para tudo.”

Além disso, Julia também acredita que o home-office ainda é visto com preconceito porque várias pessoas possuem os vícios de antigamente e não enxergam o estilo como um modelo de trabalho inovador. Quem divide a mesma opinião são as arquitetas Clara Miranda e Regina Kern da “Canto Arquitetura”. Além de trabalharem em casa, as duas profissionais também contam com duas estagiárias que compõem o quadro da equipe que, assim como as chefes, também trabalha de casa.

 

Giovanna Bembom/Metrópoles

Prós e contras

PRÓ: Economia. Após uma longa procura por um escritório, Clara e Regina refletiram que os custos seriam muito altos e que a necessidade seria nula, já que elas passam a maior parte do tempo fora de um espaço fixo de trabalho. “Avaliamos a dinâmica e vimos que não valeria a pena. O cliente não quer ir até você ele quer que nós nos desloquemos até a casa ou empresa dele para checar tudo”, explica Regina.

PRÓ: Maternidade. Mesmo com fatores positivos como horários flexíveis, economia em relação a gastos e liberdade para criar a qualquer hora, existem outros motivos que não tornam a prática perfeita para Clara. Mãe de dois filhos pequenos, a arquiteta reconhece que, apesar dos pontos positivos se sobressaírem, a modalidade de trabalho pode ser difícil para quem tem crianças em casa.

CONTRA: Respeito ao espaço. “No começo era bom porque meus filhos eram bebês e minha preocupação ficava voltada para o horário da amamentação. Agora eles estão numa fase em que eles querem brincar comigo. Então fica muito difícil explicar que eu estou em casa, mas não estou disponível para eles porque estou trabalhando”.

 

Felipe Menezes/Metrópoles

 

PRÓ: Sem stress. Ethel Barreto, que trabalha em uma empresa norte-americana com presença no Brasil, ainda lembra que não gasta tempo no trânsito. Comodidade e conforto de poder trabalhar em casa também são fatores positivos.

CONTRA: Tempo. No entanto, as desvantagens também existem. “As vezes fico meio sem limites de saber quando devo parar de trabalhar”, avalia Ethel Barreto.

CONTRA: Solidão. “Sinto falta da convivência com as pessoas, tanto do ponto de vista profissional quanto do pessoal, porque você deixa de fazer bons contatos e amizades”, acredita Ethel Barreto.

Veja algumas curiosidades sobre a pesquisa:

Mais lidas
Últimas notícias