Centenário registrado: moradora do DF faz lindo ensaio de 100 anos

Madalena Monte comemora um século de vida neste fim de semana e prova que não existe idade para ser feliz

atualizado 30/06/2019 20:01

Foto: Victor Moura

Eternizar várias fases da vida em registros fotográficos e estar em frente das câmeras. Essa é a grande paixão da maranhense Madalena Monte.

O primeiro retrato feito foi aos 15 anos – uma lembrança exibida pela família com orgulho. Já as fotografias mais recentes são justamente de um ensaio protagonizado por ela para comemorar um século de vida, neste fim de semana. “Estávamos pensando nos registros da festa de aniversário até que encontramos um fotógrafo especializado na terceira idade. Quando vimos as primeiras fotos feitas com o Victor Moura, ficamos encantados. Ela também adorou a experiência”, explica a filha Évila Monte.

Em meio a cliques delicados e inspiradores, e muitos porta-retratos, a matriarca da família mostra que a idade é irrelevante para muitas coisas na vida. Como se sentir bonita e compartilhar felicidade, por exemplo. “Gosto de estar em família, com meus filhos, netos e bisnetos”, declara. Ao todo, são 23 herdeiros – dois filhos vivos, nove netos e 12 bisnetos.

Conselhos

O companheiro de uma vida, Joaquim da Costa, juntou-se a outros entes queridos que partiram, em 2010. Ao longo dos anos, Madalena aprendeu a lidar com a saudade e descobriu um dos segredos da longevidade: aproveitar a companhia dos que ainda estão presentes.

Logo após a morte do marido, com quem se casou em 1951, os filhos resolveram fazer uma viagem de carro ao Maranhão, a terra natal de Madalena. No caminho, passaram pela casa dos parentes e amigos e aproveitaram para registrar tudo. A atitude ajudou a senhora a superar o período de luto. “Descobrimos que cada vez que minha mãe vê uma pessoa que ela gosta, ela ganha 6 meses de vida”, brinca Évila.

Além de uma boa relação com a família, a aniversariante elenca outros conselhos para viver mais: rotina ativa e independente, busca constante por conhecimento, bom humor e confiança em Deus. Ao que tudo indica, ela seguiu à risca as próprias recomendações: dedicou-se à evangelização de crianças, cultivou uma série de hobbies e, aos 83 anos, formou-se em espanhol. “A gente que precisa lembrá-la da idade, senão ela esquece”, aponta a filha.

0

 

Entre a luz e as lentes

Em 2015, Victor Moura postou em suas redes sociais o álbum de um casal de idosos, moradores de Brasília, que completava 60 anos de casados. Em menos de uma semana, as fotos foram curtidas quase 6 mil vezes e compartilhadas em pelo menos 2,1 mil perfis do Facebook. A publicação chegou a ser repostada pelo papa Francisco.

Na opinião do fotógrafo, os compartilhamentos são importantes porque ajudam a empoderar idosos. No entanto a maior recompensa é o aprendizado. “Gosto muito da frase do inglês Benjamin Disraeli, que diz: ‘A vida é muito curta para ser pequena’. É a mais pura verdade e meu trabalho ajuda as pessoas a compreenderem isso, buscarem autoestima e valorizarem suas marcas de expressão”, conclui.

Victor dá dicas para quem deseja trabalhar com esse tipo de fotografia. Ele explica que o ensaio com pessoas de idade mais avançada exige alguns cuidados. “A atenção aos detalhes, a empatia e o jeito como tratar esses modelos mais experientes são importantes O fotógrafo precisa ter paciência, compreender as limitações do modelo e fazer o possível para que ele se sinta feliz naquele momento”, frisa.

Os ensaios conduzidos pelo profissional rendem cliques cheios de fofura. Os melhores são publicados em seu site pessoal.

Últimas notícias