*

Para o seu cãozinho de estimação, o que vale mais: uma tigela de ração ou um apelido carinhoso? Para responder essa pergunta, especialistas do Dog Project, da Universidade Emory, decidiram pesquisar se os laços entre os humanos e os pets ultrapassam as necessidades básicas dos bichinhos.

Os cientistas, então, submeteram 15 cães a exames de ressonância magnética. Enquanto o cérebro era escaneado, os pesquisadores mostravam três brinquedos diferentes para os cachorros, cada um associado a um resultado diferente.

Quando um caminhão rosa aparecia por 10 segundos, eles já sabiam que vinha comida depois. Se surgisse um boneco azul, logo aparecia o dono do cão com alguma demonstração de carinho (“bom garoto!”) e, por último, uma escova de cabelo, que não oferecia recompensa nenhuma.

Cada animal repetiu o teste 32 vezes. Segundo o estudo, a atividade cerebral deles oscilava pouco quando aparecia a escova de cabelo – sinal de que haviam entendido que não receberiam recompensas. No entanto, uma explosão de ativação neural ocorria quando sabiam que estavam prestes a receber comida ou carinho do dono.

Apenas dois dos cachorros mostraram uma ativação cerebral maior antes da comida do que dos elogios do dono. Para nove deles, os dois estímulos eram semelhantes. Já para quatro dos bichinhos, os elogios do dono geraram uma atividade neural muito maior.

Os pesquisadores continuaram a investigação. Em um segundo estudo, eles colocaram os cães em um corredor que levava a dois caminhos diferentes. No final de um, havia um pote de comida. Na outra ponta, o dono sentado de costas pronto para encher de carinho seu pet.

O resultado desse outro experimento confirmou o padrão da ressonância magnética. Em até 90% dos testes, os cachorros, que tinham aumento da atividade neural quando recebiam elogios do dono, corriam em direção a ele.

Para os cientistas, o estudo demonstrou que cãezinhos não são motivados somente pela comida, mas têm reações cerebrais intensas à interação social com os seus donos. De acordo com dados da pesquisa, a recompensa cerebral do elogio tinha valor igual ou maior para os bichinhos do que ganhar um biscoito.

 

 



COMENTE

 
Bem-estarBichos

Leia mais: Comportamento