Saiba como transformar o seu corpo em uma máquina de produzir colágeno

Especialistas ensinam truques valiosos para estimular a produção da proteína, principal responsável por preservar a aparência jovial da pele

atualizado 30/04/2020 21:13

Getty Images

Livre de rugas, viçosa e elástica. Se você acredita que, para ter uma pele com essas características na vida adulta, é preciso gastar rios de dinheiro e se submeter a procedimentos invasivos, reveja os seus conceitos. Apostar na estimulação do colágeno, proteína do corpo humano responsável por manter o aspecto jovial da cútis, pode ser uma solução simples, indolor e até acessível.

Com o apoio de especialistas, o Metrópoles listou dicas infalíveis para potencializar os níveis do “milagrinho natural” e, assim, garantir uma derme radiante em qualquer faixa etária.

O ritual de beleza, alertam os profissionais, deve ser seguido com seriedade a partir dos 25 anos, idade em que a produção de colágeno é naturalmente reduzida pelo organismo.

Siga uma alimentação balanceada
“Uma boa alimentação está diretamente ligada à beleza. Quando consumimos insumos equilibrados e nutritivos, conseguimos adquirir vitaminas essenciais para a manutenção da saúde da nossa pele”, explica a nutricionista Débora Copelli.

A especialista garante que alguns alimentos são poderosos aliados nos cuidados de skincare e, por isso, devem ser incluídos na dieta dos vaidosos de plantão. São eles:

  • Frutas cítricas: elas são ricas em antioxidades e têm índices elevados de vitamina C, combo potente na produção de colágeno;
  • Vegetais verdes-escuros: com bom nível de ácido fólico e vitamina E, eles contêm clorofila, um pigmento que age contra os radicais livres e eleva os níveis da proteína da pele;
  • Carnes, frutos do mar e ovos: eles são fontes de vitaminas do complexo B, zinco e aminoácidos fundamentais para a formação do “elixir natural”.

Outra indicação é fugir das tentadoras guloseimas. Isso porque o açúcar contribui para a quebra das estruturas de colágeno.

Na hora de ingerir carboidratos, também é aconselhável optar por aqueles do tipo complexo, como lentilha, aveia e batata-doce. Estudos comprovam que o consumo excessivo de pães e massas, exemplos de carboidratos refinados, pode ser prejudicial à pele.

Mantenha bons hábitos
Além de ser bom para a saúde do corpo em geral, não fumar e beber bastante água têm efeitos diretos na aparência da cútis. Portanto, se você quer ostentar uma pele bonita, cultive bons hábitos.

Uma rotina rigorosa de skincare, que inclui a famigerada aplicação de protetor solar e higienização da face (com água fria!) duas vezes ao dia, também é necessária.

“Outra etapa importante é a aplicação de tônico facial, que ajuda a normalizar o pH da pele e eliminar resíduos não removidos pelo sabonete”, adiciona a dermatologista Laís Leonor, da clínica Dr. André Braz.

Ainda vale se jogar na esfoliação e nos peelings, processos que auxiliam na eliminação de células mortas e contribuem para a regeneração celular. A frequência com a qual as técnicas devem ser realizadas varia. Procure um especialista e descubra o intervalo mais adequado para você.

Aposte nos dermocosméticos
Dermocosméticos são ótimos aliados na estimulação do colágeno. Cremes e séruns à base de retinol, antioxidantes, ácido hialurônico, glicólico e polilático são os mais indicados para quem quer evitar o envelhecimento precoce ou atenuar rugas. 

Produtos com tais ativos podem ser encontrados facilmente em farmácias por preços convidativos, mas devem ser recomendados por dermatologistas.

Sobre a controversa suplementação oral de colágeno, a expert em beleza da pele Laís Leonor diz: “Geralmente, o complemento é seguro, sem eventos adversos relatados. Vale salientar, no entanto, que apenas um profissional deve prescrever a suplementação adequada para cada paciente, analisando sua saúde e suas necessidades fisiológicas específicas. Caso contrário, não surtirá efeito algum”.

Ou seja, comprar pílulas de colágeno de pronta-entrega e por sua conta e risco – prática comum entre os beauty lovers – não é uma boa ideia. O hábito pode ser caro e não trazer qualquer benefício.

Últimas notícias