Veja fotos do novo apartamento de Gilberto e Flora Gil em Copacabana

O casal se mudou para o imóvel de 344 m² há um ano e meio

atualizado 03/03/2021 17:30

Reprodução

O apartamento do compositor Gilberto Gil e da companheira, a empresária Flora Gil, é como um espelho do atual estilo de vida do casal. O espaço de 344 m², no Edifício Chopin, fica em frente ao mar e ao calçadão da Avenida Atlântica, em Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Os dois se mudaram para o novo apê há um ano e meio. “Moramos durante 35 anos em um apartamento de mais de 600 m² em São Conrado. Lá criamos nossos três filhos: Bem, Bela e José. E acolhemos os outros cinco filhos de Gil. Era uma grande família em um grande apartamento. Aos poucos, os filhos saíram, e ficamos eu e Gil naquele lugar enorme sem a alegria da casa cheia”, contou Flora, à revista Casa e Jardim.

A casa tem vista ampla para o mar

O projeto desenhado pela arquiteta Marcia Müller é composto por cozinha aberta para a sala de jantar, sala de estar com a sala de TV e escritório interligado ao quarto do casal. Há também duas suítes amplas: uma para o casal e outra para recepção de netos e amigos.

O cantore  compositor desejava um imóvel bem iluminado, ventilado e com visão livre, ou seja, sem estar “apertado entre outros prédio”. “Finalmente eu achei esse ao lado do Copacabana Palace, que tem a lateral aberta para o Leme. A experiência de morar em um lugar menor foi bem aceita por Gil. Nossa vida ficou mais tranquila e mais prática”, revelou Flora.

Décor

Para a suíte do casal, o pedido de Gil era que o visual fosse similar ao do Hotel Emiliano, estabelecimento luxuoso em São Paulo. “Tem sala de leitura acoplada e até a cama do hotel que ele gostava e o dono de lá deu de presente para nós”, contou Flora.

0

Em todo o apartamento, a paleta principal do design mistura tons amadeirados com mais claros, como branco e bege. O mobiliário, grande parte vindo do antigo apartamento, também aposta na madeira, localizados, por exemplo, na mesa de jantar, aparadores e mesas de centro.

Para comportar a infinidade de livros, fotos, obras de arte e artigos de décor colecionados pelos dois, a arquiteta projetou pranchas de concreto aparente em todo o contorno da área social. O material também foi usado em bancos e balcões.

O espaço marca a nova fase de Gil e Flora, que, por conta da idade e do distanciamento social, têm buscado mais qualidade de vida. “Gosto imensamente de morar em Copacabana. Posso ter uma vida sem carro. Faço tudo a pé: vou ao cabeleireiro e à feira aqui perto comprar minhas frutas. Há anos eu não ia à feira. Gil não vai comigo, mas gosta de caminhar no calçadão até o Leme e voltar no fim da tarde”, finalizou Flora.

Últimas notícias