Mulher cultivava pés de maconha em horta no quintal de casa no DF

Segundo a Polícia Civil, a suspeita foi presa por manter pelo menos 15 pés da erva. Ela alegou extrair o óleo da planta para consumo próprio

Reprodução/PCDFReprodução/PCDF

atualizado 20/06/2019 13:07

Investigadores da Coordenação de Repressão às Drogas (Cord) da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagraram uma operação para prender uma mulher que cultivava maconha em uma horta, no quintal de casa, na região de Arniqueiras. Pelo menos 15 pés da erva foram encontrados florescendo nos canteiros da residência. Os policiais chegaram até o local por meio de uma denúncia anônima, uma vez que a plantação fica ao ar livre, no jardim do imóvel.

A identidade da moradora não foi divulgada, pois outros dois suspeitos ainda estão sendo procurados pelos policiais. De acordo com as investigações da Cord, a mulher extraia o óleo da maconha para consumo próprio. Segundo os policiais, ela mora na casa com o marido, que não teria conhecimento que entre as plantas estavam vários pés de maconha, que ficavam plantados próximo a hortaliças.

A suspeita estaria cultivando a droga há pelo menos seis meses. Segundo o delegado Erison Abdala, as investigações ainda estão em andamento. “Estamos atrás de outros dois suspeitos que teriam ligação com a plantação e um suposto tráfico. Em depoimento, a autora, presa em flagrante, negou que traficasse a droga”, disse.

Servidores traficantes

Policiais da Cord também prenderam, nessa quarta-feira (19/06/2019), um auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) e estão à procura de um servidor do Senado Federal, ambos acusados de traficar drogas para uma seleta clientela. Na casa de um dos suspeitos, investigadores encontraram plantações de maconha divididas em vasos. A dupla teria conexão e seria parceria no crime. A ação teve apoio da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) e da Divisão de Operações Especiais (DOE).

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça, os policiais encontraram porções da conhecida “maconha gourmet”, muito consumida por usuários de alto poder aquisitivo. O servidor do Senado, que tem mandado de prisão decretado, ainda não foi localizado pelos policiais. Todos os 13 pés do entorpecente foram apreendidos e levados para a delegacia.

Após receberam informações sobre o cultivo da erva em uma casa de alto padrão no Lago Sul, os policiais foram ao local, onde reside o servidor do TCU, na Rua 5 do Altiplano Leste. Os pés de maconha eram cultivados no último andar do imóvel de três pavimentos. De posse de mandado de busca e apreensão, os agentes recolheram a droga.

 

Maconha gourmet

De olho no alto poder aquisitivo de usuários do Plano Piloto, Lago Sul e Lago Norte, traficantes do Distrito Federal passaram a apostar no tráfico de ervas geneticamente modificadas. Com diferentes aromas e sabores, as maconhas gourmet podem ter gotas de limão, framboesa, cereja e chocolate. As apurações policiais apontam que apenas um grupo seleto de usuários consegue ter acesso a esse tipo de droga, devido ao elevado valor de aquisição. Uma pequena porção chega a custar R$ 1,4 mil.

Ao contrário do produto vendido nas ruas e em bocas de fumo, as substâncias especializadas são negociadas em rodas de amigos. Em quase 100% dos casos, quem vende e quem compra se conhecem. Portanto, acreditam que se trata de uma transação segura. Os grupos de WhatsApp tornaram-se território livre para os traficantes repassarem a oferta da maconha gourmet.

Cardápios com uma infinidade de ervas modificadas muitas vezes são expostos pelos criminosos. Apontada como a mais potente do mundo, a Super Lemon Haze, criada em laboratório, tem uma concentração de THC (tetraidrocanabinol) superior a 20% e sabor cítrico.

Últimas notícias