Seis dias sem álcool após vacina russa são suficientes, afirmam cientistas

Responsáveis pelo desenvolvimento da fórmula corrigiram informação da vice primeira-ministra de que 42 dias sem beber seriam necessários

atualizado 10/12/2020 11:59

Sputnik Vaccine/Divulgação

A recomendação de evitar a ingestão de álcool e remédios por 42 dias após receber a vacina russa dada pela vice primeira-ministra do país, Tatiana Golikova, na última sexta-feira (4/12), rodou o mundo e causou polêmica. A restrição, contudo, não precisa ser tão rígida.

O diretor do Instituto Gamaleya, Alexander Gintsburg, afirma que seis dias sem beber são suficientes. Em entrevistas concedidas na quarta-feira (9/12), o líder da equipe que desenvolveu a fórmula da Sputnik V amenizou o impacto da fala de Tatiana Golikova.

Apesar de admitir que o consumo excessivo de álcool trabalha contra o sistema imunológico – diminuindo a eficácia de qualquer vacina ou medicamento -, Alexander Gintsburg suavizou. “Uma taça de champanhe não machuca ninguém”, comentou. A recomendação seria, segundo ele, “de uma limitação razoável de consumo até que o corpo tenha formado sua própria resposta imunológica à infecção por coronavírus”.

Início da vacinação
A vacina Sputnik V começou a ser aplicado na população no último sábado (5/12). O imunizante é administrado em duas injeções, com a segunda dose prevista para ser administrada 21 dias após a primeira.

A média de idade das pessoas que estão recebendo a vacina contra o coronavírus no país é de 60 anos. Pacientes com comorbidades, grávidas e pessoas que tiveram uma doença respiratória nas últimas duas semanas não estão sendo vacinadas.

A Rússia registrou na quarta-feira 26.190 novos casos de Covid-19, incluindo 5.145 em Moscou, elevando o total nacional para 2.541.199 desde que a pandemia começou. Autoridades disseram que 559 pessoas morreram nas últimas 24 horas, empurrando o número oficial de mortos para 44.718. (Com informações da Agência Estado)

0

Últimas notícias