OMS recomenda que países voltem a aplicar vacina de Oxford/AstraZeneca

Comitê da agência internacional pediu que países retomem campanhas de vacinação com a fórmula desenvolvida contra a Covid-19

atualizado 19/03/2021 17:21

Tedros Adhanom GhebreyesusPicture Alliance/Getty Images

Em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (19/3), a Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmou que a vacina de Oxford/AstraZeneca é segura contra o coronavírus, e pediu que os países continuem aplicando o imunizante. “Nosso comitê recomenda o uso, já que há mais benefícios do que riscos. Entendemos que as pessoas podem estar com medo de receber a vacina mas, nesse caso, não temos dúvida. A Covid-19 é uma doença letal, e a vacina pode preveni-la”, afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da organização.

A vacina de Oxford/AstraZeneca representa mais de 90% dos imunizantes distribuídos pela Covax Facility, iniciativa da OMS para distribuir o medicamento para todos os países. Na última semana, várias nações pausaram a aplicação da vacina pela suspeita de que a fórmula teria ligação com o desenvolvimento de coágulos sanguíneos em pacientes que tomaram o imunizante.

Porém, a agência regulatória europeia e a OMS investigaram as informações sobre os casos e concluíram que não é possível ligar os coágulos à vacina. O principal argumento é de que o número de casos entre pessoas imunizadas não seria diferente das taxas que costumam aparecer na população em geral.

Rogério Gaspar, diretor de regulação e pré-qualificação da OMS, explicou que a situação da AstraZeneca é completamente normal, e investigações semelhantes devem acontecer várias vezes, com outras fórmulas. “É como o sistema funciona. A maior mensagem que podemos tirar é que as informações estão sendo atualizadas e revisadas, e está tudo sob controle”, diz.

Até o momento, a organização já aprovou para uso emergencial as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer. Nas próximas semanas, deve dar uma resposta sobre a Coronavac e o imunizante da CanSino. Segundo Gaspar, a vacina russa Sputnik V ainda está passando pelo processo de avaliação, mas ainda não entregou todos os documentos.

Saiba como as vacinas contra Covid-19 atuam:

0

Últimas notícias