OMS confirma mais de 9 mil casos de varíola dos macacos em 63 países

Em coletiva nesta terça (11/7), o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, atualizou dados sobre o avanço da doença

atualizado 12/07/2022 13:39

imagem de tubos de ensaio sinalizando resultado positivo para varíola dos macacos Vinícius Schmidt/Metrópoles

A Organização Mundial de Saúde (OMS) contabiliza 9.200 casos de varíola dos macacos reportados à entidade internacional de saúde desde o início do atual surto da doença. O vírus já foi registrado em 63 países, de acordo com entrevista coletiva realizada pela entidade nesta terça-feira (11/7), em Genebra.

O Comitê de Emergência da entidade se prepara para “analisar tendências, fazer recomendações para países e revisar as normas na luta contra o surto”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Enquanto isso, continuaremos recomendando uma abordagem multisetorial”, completou.

O diretor da agência das Nações Unidas explicou, ainda, que a OMS está trabalhando com a sociedade civil e a comunidade LGBT+ para eliminar o estigma em torno da doença. “Também estamos promovendo ações para coordenar o desenvolvimento de vacinas, que ainda são escassas, além de estabelecer acordos com países e especialistas para aumentar pesquisas e desenvolver um protocolo global sobre o tratamento”, frisou.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

Diante do avanço do número de casos da varíola dos macacos nos países em que ela não é endêmica, o Comitê de Emergência da OMS, responsável por determinar a gravidade da crise sanitária, fará uma nova reunião sobre a enfermidade na próxima segunda-feira (18/7).

Durante o encontro, serão atualizadas diretrizes para definir como tratar a situação de saúde. A agência não descarta declarar a doença como emergência de saúde global, como ocorre com a Covid-19.

“Observamos um aumento no número de casos, novos países afetados e, portanto, precisamos avaliar novamente a situação.  É necessário entender se precisamos reforçar as recomendações ou revisitar a estratégia”, disse a diretora de preparo e prevenção a pandemias e endemias da entidade, Sylvie Briand.

Segundo a especialista, 0 último encontro do comitê de emergência forneceu critérios que precisam ser monitorados — entre eles, a transmissão da varíola dos macacos fora das comunidades inicialmente afetadas, bem como as mudanças no vírus.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias