OMS avaliará se surto de varíola dos macacos é emergência de saúde

Comitê sanitário da entidade se reunirá na próxima semana. O patamar de emergência de saúde é o mesmo que está a Covid-19

atualizado 14/06/2022 12:53

diretor-geral da OMS falando em microfone com fundo brancoGettyImages

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, informou nesta terça-feira (14/6) que se reunirá com membros do Comitê de Emergência sob o Regulamento Sanitário da entidade para avaliar se o surto de varíola dos macacos se tornou uma emergência de saúde pública de interesse internacional, assim como a Covid-19.

A reunião ocorrerá na quinta-feira da próxima semana (23/6). Até a data, a OMS espera ter concluído todas as análises sobre a doença para entender as lacunas na transmissão do vírus e ter chegado a um consenso sobre como será a resposta coordenada de enfrentamento à doença.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

A disseminação da varíola dos macacos por quase 40 países acendeu o sinal de alerta da OMS. Segundo Ghebreyesus, ficou claro que o vírus causador da doença mudou o seu comportamento em relação aos surtos passados.

“O surto de Monkeypox (vírus da varíola dos macacos) é incomum e preocupante. Por esse motivo, decidi convocar o Comitê de Emergência sob o Regulamento Sanitário Internacional na próxima semana”, disse o diretor-geral durante coletiva de imprensa em Genebra.

Cerca de 1.600 casos da doença viral foram confirmados desde o início de maio em 39 países – 32 deles não tinham registros de circulação do vírus até então. Nenhuma morte foi registrada até o momento, mas as autoridades monitoram uma suspeita de óbito em Minas Gerais.

Vacinação

A OMS também publicou, nesta terça, um guia provisório com orientações para a vacinação contra a varíola dos macacos. No documento, a entidade reafirma que a imunização em massa não é necessária nem recomendada neste momento.

Devem ser vacinadas apenas as pessoas em situação de risco, como contatos próximos de pacientes com diagnóstico positivo, idealmente no prazo de quatro dias após a primeira exposição para prevenir o início da doença.

Também devem ser vacinados os profissionais de saúde em risco, pessoal de laboratório que trabalha com ortopoxvírus e com testes de diagnóstico para varíola dos macacos. Contatos íntimos dos pacientes contaminados e outros que possam estar em risco também devem ser vacinados.

“Apesar de esperarmos que as vacinas de varíola humana ofereçam alguma proteção contra a dos macacos, ainda há informações clínicas limitadas, e poucos estoques. Qualquer decisão sobre quando usar os imunizantes deve ser feita caso a caso”, afirma o diretor-geral.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias