metropoles.com

Ômicron: entenda o quão preocupante a subvariante BA.2 pode ser

Brasil têm casos confirmados da linhagem BA.2, da variante Ômicron. Nova mutação sugere ser mais contagiosa e menos grave

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Fotografia colorida de teste pcr coronavírus encalhado justiça
1 de 1 Fotografia colorida de teste pcr coronavírus encalhado justiça - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Nos últimos dias, o Brasil registrou os primeiros casos da subvariante BA.2, da Ômicron. Apesar de só ter sido identificado agora no país, o subtipo já é dominante na Dinamarca e vem crescendo em outros países, como o Reino Unido.

O médico infectologista Marcelo Daher, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), explica que o subtipo herdou da cepa original uma grande capacidade de propagação. Segundo ele, dados mostram que a BA.2 é bem mais transmissível que as versões anteriores do vírus.

Apesar de existir o temor de que a nova versão continue mantendo os casos de Covid-19 em patamares altos – o que sobrecarrega a rede hospitalar, as informações até aqui dão conta de que o subtipo também não estaria relacionado a manifestações mais graves da doença.

“A Dinamarca, apesar do crescimento de casos e da prevalência da BA.2, decidiu abandonar as medidas de contenção e encarar a Ômicron como uma doença respiratória normal, como a influenza e os resfriados comuns”, aponta o especialista.

15 imagens
Isso porque a alteração apresenta cerca de 50 mutações, mais do que as outras variantes identificadas até o momento
Segundo a OMS, a Ômicron é mais resistente às vacinas disponíveis no mundo contra as demais variantes e se espalha mais rápido
Dores no corpo, na cabeça, fadiga, suores noturnos, sensação de garganta arranhando e elevação na frequência cardíaca em crianças são alguns dos sintomas identificados por pesquisadores em pessoas infectadas
Em relação à virulência da Ômicron, os dados são limitados, mas sugerem que ela pode ser menos severa que a Delta, por exemplo
O surgimento da variante também é uma incógnita para cientistas. Por isso, pesquisadores consideram três teorias para o desenvolvimento do vírus
1 de 15

Detectada pela primeira vez na África do Sul, a variante Ômicron foi classificada pela OMS como de preocupação

Andriy Onufriyenko/ Getty Images
2 de 15

Isso porque a alteração apresenta cerca de 50 mutações, mais do que as outras variantes identificadas até o momento

Getty Images
3 de 15

Segundo a OMS, a Ômicron é mais resistente às vacinas disponíveis no mundo contra as demais variantes e se espalha mais rápido

Peter Dazeley/ Getty Images
4 de 15

Dores no corpo, na cabeça, fadiga, suores noturnos, sensação de garganta arranhando e elevação na frequência cardíaca em crianças são alguns dos sintomas identificados por pesquisadores em pessoas infectadas

Uwe Krejci/ Getty Images
5 de 15

Em relação à virulência da Ômicron, os dados são limitados, mas sugerem que ela pode ser menos severa que a Delta, por exemplo

Pixabay
6 de 15

O surgimento da variante também é uma incógnita para cientistas. Por isso, pesquisadores consideram três teorias para o desenvolvimento do vírus

Getty Images
7 de 15

A primeira é que a variante tenha começado o desenvolvimento em meados de 2020, em uma população pouco testada, e só agora acumulou mutações suficientes para se tornar mais transmissível

Getty Images
8 de 15

A segunda é que surgimento da Ômicron pode estar ligado ao HIV não tratado. A terceira, e menos provável, é que o coronavírus teria infectado um animal, se desenvolvido nele e voltado a contaminar um humano

Andriy Onufriyenko/ Getty Images
9 de 15

De qualquer forma, o sequenciamento genético mostra que a Ômicron não se desenvolveu a partir de nenhuma das variantes mais comuns, já que a nova cepa não tem mutações semelhantes à Alfa, Beta, Gama ou Delta

Andriy Onufriyenko/ Getty Images
10 de 15

Com medo de uma nova onda, países têm aumentado as restrições para conter o avanço da nova variante

Getty Images
11 de 15

De acordo com documento da OMS, a Ômicron está em circulação em 110 países. Na África do Sul, ela vem se disseminando de maneira mais rápida do que a variante Delta, cuja circulação no país é baixa

Getty Images
12 de 15

Mesmo em países onde o número de pessoas vacinadas é alto, como no Reino Unido, a nova mutação vem ganhando espaço rapidamente

Morsa Images/ Getty Images
13 de 15

No Brasil, 32 casos foram registrados, segundo balanço divulgado no fim de dezembro pelo Ministério da Saúde

Morsa Images/ Getty Images
14 de 15

Por conta da capacidade de disseminação da variante, a OMS orienta que pessoas se vacinem com todas as doses necessárias, utilizem corretamente máscaras de proteção e mantenham as mãos higienizadas

Andriy Onufriyenko/ Getty Images
15 de 15

A entidade ressalta ainda a importância de evitar aglomerações e recomenda que se prefiram ambientes bem ventilados

JuFagundes/ Getty Images

Estudo feito no país mostra que a BA.2, da Ômicron, é até 33% mais transmissível do que a versão original (BA.1) e tem maior capacidade de infectar os imunizados.

Os dados constam de análise feita por pesquisadores do Statens Serum Institut (SSI) com moradores de 8,5 mil residências dinamarquesas, entre dezembro de 2021 e janeiro deste ano.

“A doença vem repetindo uma característica que a Ômicron já apresentava. Uma tendência a ter um quadro muito mais nas vias aéreas superiores do que nas vias aéreas inferiores, o que torna a infecção mais branda”, diz Daher.

Dificuldade de identificação

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a subvariante é mais difícil de ser identificada em testes de sequenciamento genômico. Por isso, a entidade recomenda que os países refaçam análises para casos que não foram sinalizados anteriormente.

A virologista da OMS na África, Nicksy Gumede-Moeletsi, explicou em entrevistas que a versão original é mais fácil de ser rastreada porque tem a ausência de um dos três genes-alvo usados ​​em testes de PCR comuns, gerando um padrão para a detecção.

A BA.2, por sua vez, não tem a ausência desse gene-alvo, o que dificulta sua classificação por exames de menor precisão.

Sintomas e proteção

Segundo a infectologista Ana Helena Germoglio, o aparecimento de mutações é uma estratégia de sobrevivência dos vírus. Ela explica que o subtipo também se mostra mais transmissível, mas não é mais mortal.

De acordo com as informações disponíveis, os sintomas não são diferentes entre as subvariantes. “Hoje, o que a gente vê mais são os sintomas gripais. Os pacientes que foram identificados com ela evoluíram com formas leves, mas não significa que não existirão quadros graves”, aponta Germoglio.

A especialista ressalta a importância do uso contínuo de máscaras, do distanciamento social e da vacinação como medidas fundamentais para conter também o avanço dessa cepa do coronavírus.

“Ainda não há motivo para pânico. Mas isso tudo nos serve de alerta, pois quanto maior a circulação viral maior a probabilidade de surgimento de novas variantes com maior ou menor capacidade de infecção”, pondera Germoglio.

Reinfecção e a importância da vacina

Germoglio considera que existe um período de alta proteção até três meses depois da infecção. “É muito pouco provável que quem teve um quadro de infecção pela Ômicron, ou por qualquer outra variante, apresente uma nova infecção dentro dos próximos três meses”, explica a médica.

O diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, segue defendendo a importância da vacinação. “Não há nenhuma suspeita de que a gente precise revacinar, ou mudar as vacinas, nem por conta da Ômicron nem da BA.2”, afirma Kfouri.

Ele acrescenta que os estudos realizados para atualizações de vacinas buscam  tornar os imunizantes mais eficazes a fim de evitar as formas leves da Covid-19. “O que as vacinas têm mantido com altíssima eficácia é o risco de evolução para as formas graves. Nós precisamos de vacinas que funcionem também para quadros leves, para diminuir a sobrecarga em hospitais”, diz.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?