Musa fitness divide dica inusitada para comer fast-food sem engordar

Andrea Sunshine compartilhou estratégia criativa para "enganar o cérebro" e driblar a vontade de comer ultraprocessados

atualizado 29/03/2022 20:32

Divulgação

A atleta fitness Andrea Sunshine compartilhou uma dica inusitada para incluir o fast-food na vida sem engordar. Ela compra o lanche e o substitui por uma versão saudável, aproveitando a embalagem da comida no intuito de “enganar o cérebro”.

Em vez de comer batata frita, que é uma opção rica em gordura ruim, ela troca o carboidrato por cenouras temperadas e assadas na airfryer. A versão saudável é colocada dentro do embrulho tradicional para manter a memória afetiva proporcionada pelo alimento original.

No caso de sanduíches, ela retira os molhos, que são ricos em sódio. “Também tirei os condimentos do lanche, porque só assim dá para comer e tentar ser mais saudável. Mas, o ideal mesmo para quem mantém dietas ou faz uma reeducação alimentar, é não comer fast-food”, afirma Andrea.

0

Andrea é uma fisiculturista brasileira radicada no Reino Unido, que ficou conhecida na imprensa internacional como vovó fitness. A atleta de 53 anos tem dois netos e, para manter o corpão, passa mais de 3h por dia na academia.

Mas funciona?

A nutricionista Isabela Zago explica que uma das estratégias usadas por empresas do ramo do fast-food é atrair os consumidores não só pelo sabor, mas também pelo cheiro, cor e textura dos alimentos.

De acordo com ela, o termo correto da dica de Andrea não seria “enganar o cérebro”, mas aproximar outros alimentos dos sabores habituais por meio de estratégias nutricionais.

“Podemos pensar em uma aproximação com o fast-food, apresentar outros alimentos e maneiras de preparo que possam tornar os alimentos saudáveis mais interessantes”, orienta Zago.

Contudo, a profissional alerta que a privação total de alimentos industrializados pode ser ainda pior a depender do desejo pela comida. “A privação severa de alimentos pode aumentar o interesse, empurrando a pessoa para episódios de compulsão alimentar. O equilíbrio é extremamente importante”, afirma a profissional.

Cynara Oliveira, supervisora de Nutrição do Hospital Santa Lúcia, também sugere que as pessoas habituadas ao fast-food busquem versões feitas em casa. “É um truque que utilizo em casa com os meus filhos pequenos para matar a vontade de fast-food sem tanto prejuízo à saúde. A gente faz o pão em casa, coloca mais salada, utiliza uma carne magra ou grelha um frango”, ensina.

 

0

 

 

 

Mais lidas
Últimas notícias