metropoles.com

Melatonina está à venda no Brasil: veja o que você precisa saber

Suplemento com melatonina já começa a aparecer nas farmácias do país, e pode ajudar quem precisa de uma mãozinha para dormir melhor

atualizado

Compartilhar notícia

Meranna/Istock
dormindo sono dormir
1 de 1 dormindo sono dormir - Foto: Meranna/Istock

Depois de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar a venda de melatonina no Brasil na forma de suplemento alimentar, a substância já começa a chegar nas farmácias. O órgão permite a comercialização de doses de 0,21 mg, em gotas ou comprimido, sem prescrição médica, e a melatonina não pode ser utilizada por gestantes, lactantes, crianças e trabalhadores de atividades que exigem atenção constante.

A aprovação da melatonina era muito aguardada no Brasil. De acordo com uma pesquisa feita pelo Ibope, chamada Mapa do Sono dos Brasileiros, cerca de 65% da população têm baixa qualidade de sono, mas só 7% procuram ajuda médica para resolver o problema.

A substância é conhecida com o hormônio do sono, e é responsável por manter o bom funcionamento do relógio biológico — o ritmo circadiano que define quando o corpo deve relaxar para dormir e o momento de acordar.

A melatonina está relacionada com o tempo de jejum durante a noite, a atividade cardiovascular, a pressão arterial, a temperatura corporal e a frequência cardíaca, além de preparar o descanso. Ela também participa da reparação das células durante a noite, e sua deficiência está associada à dificuldade para dormir.

Professora de Harvard ensina como pegar no sono mais rápido

A produção do hormônio costuma cair conforme os anos passam e, por isso, o suplemento pode ser mais indicado para idosos e não funcionar de forma perfeita para todos os pacientes: muitas vezes, o problema no sono não é falta de melatonina, mas outras condições, como a obstrução na respiração ou o refluxo.

Apesar de o suplemento oferecer uma boa saída para quem sofre para dormir, não é algo que resolva o problema imediatamente — são necessárias pelo menos duas semanas para que o tratamento faça efeito. A indicação é tomar o remédio todos os dias, no mesmo horário, logo antes de ir dormir.

Outras opções

A enfermeira esteta Mariane de Chiara, diretora da Clínica Chiquetá, alerta que é preciso ter cautela com o uso indiscriminado da melatonina. O uso em excesso pode causar alteração cognitiva, queda de pressão e irritabilidade, por exemplo.

“Num momento inicial a melatonina ajuda, porém não deve se tornar um fator de dependência. Fazer um esforço, desligando as luzes e deixando o celular de lado antes de dormir é essencial para estimular a sua própria produção do hormônio”, explica a profissional. Garantir que o quarto esteja completamente escuro é importante, uma vez que a produção natural da melatonina é desencadeada, entre outros fatores, pela luz ambiente.

A atenção à alimentação também ajuda na hora de dormir. A nutricionista Júlia Mascarenhas, da Nutrition’all, conta que bons hábitos alimentares podem interferir na qualidade do sono. “A ingestão de triptofano, magnésio, vitaminas do complexo B, zinco e ômega 3, têm a capacidade de ajudar a ter um sono contínuo e restaurador”, ensina.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações