Governo usou somente 40% dos testes de diagnóstico de Covid-19 prometidos

Números foram repassados pelo Ministério da Saúde, em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (29/10)

atualizado 29/10/2020 17:35

teste exame de covid-19 brasil coronavirusRafaela Felicciano/Metrópoles

Desde o começo da pandemia de Covid-19, 18,5 milhões de testes – entre RT-PCR e os rápidos – foram feitos no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. O número, repassado em entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira (29/10), está bem abaixo dos 46 milhões prometidos pela pasta ainda no início da pandemia.

O secretário de vigilância em saúde, Arnaldo Medeiros, afirma que o Executivo está fortalecendo a rede de laboratórios a fim de conseguir processar os exames. “Nossa perspectiva é continuar testando a população e garantir que, nas unidades básicas onde são coletadas as amostras, não faltem kits para os testes serem realizados”, assinala.

Porém, o secretário afirma que, além da disponibilidade dos exames, é preciso que o médico faça a prescrição do teste. “Ao governo, cabe disponibilizar o kit, para que, quando houver prescrição, o paciente realize o exame e tenha o resultado o mais rápido possível”, frisa. A testagem, o isolamento dos pacientes infectados e o monitoramento dos casos suspeitos são medidas consideradas essenciais para conter a disseminação da epidemia.

Questionado sobre quando pretende bater a meta estipulada pelo próprio governo e a respeito do motivo da demora na aplicação dos exames, Medeiros não respondeu.

O número inicial de testes a serem adquiridos pela pasta era de 23,9 milhões. Em abril, o ministério ampliou a promessa para 46,2 milhões.

Até o momento, os estados que mais receberam testes RT-PCR, considerado o padrão ouro entre os exames para detectar o coronavírus, foram Rio de Janeiro (1.230.848), São Paulo (1.180.796) e Paraná (969.024).

Outra informação importante é a porcentagem de diagnósticos confirmando a doença. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma taxa positiva estaria entre 3% e 12% dos testes. De acordo com o Ministério da Saúde, 42,9% dos exames feitos no Brasil são positivos, o que indicaria falha na política pública de testagem.

Investimento recorde em vigilância

Arnaldo Medeiros anunciou, entretanto, que o programa Vigiar SUS receberá R$ 1,5 bilhões para fortalecer a rede de laboratórios centrais, a vigilância sentinela das síndromes respiratórias, o serviço de verificação de óbito e as equipes de pronta resposta da rede nacional de vigilância epidemiológica.

A ideia é melhorar a capacidade de resposta às emergências em saúde pública e criar estratégias de segurança nacional para ameaças à saúde.

Também serão custeados pelo pacote investimentos em salas de vacina, câmaras refrigeradas para transporte de imunizantes e estudo de prevalência da Covid-19 na população brasileira, que deve colher exames de 600 mil indivíduos.

 

0

Últimas notícias