metropoles.com

Estudo aponta que humanos estão lentamente perdendo o senso de olfato

Pesquisadores chineses descobriram que pessoas com versões ancestrais de alguns genes percebem os odores de forma mais intensa

atualizado

Compartilhar notícia

GettyImages
mulher cheirando uma tangerina, fotografia colorida
1 de 1 mulher cheirando uma tangerina, fotografia colorida - Foto: GettyImages

Acontecendo há milhares de anos, a evolução humana ainda não parou. Nos últimos anos, foram identificados novos ossos, músculos, veias e artérias, que não estavam presentes há algumas gerações e mostram que o corpo ainda muda para se adaptar à vida cotidiana.

A mais nova descoberta aponta para uma transformação na maneira como percebemos o odor: os cientistas acreditam que, lentamente, ao longo de séculos, fomos diminuindo a capacidade de diferenciar os cheiros.

Pesquisadores do Instituto de Nutrição e Saúde de Xangai, na China, convocaram mil pessoas da etnia Han e 364 indivíduos de etnias diversas que moram em Nova York, nos Estados Unidos, para cheirar 10 fragrâncias. Duas amostras eram de Galazolide, um odor sintético que é percebido por algumas pessoas e ignorado por outras e está associado aos cheiros corporais — o objetivo era determinar quais genes estão ligados à percepção do aroma e como atuam.

Os participantes preencheram um ranking que media a intensidade e quão agradável era o odor. O levantamento identificou dois novos receptores olfativos, um que sente o Galazolide e outro que percebe o 3M2H, um outro composto químico presente no odor corporal.

A partir dos resultados, a equipe decidiu, em uma segunda fase do estudo, analisar outras 27 mutações genéticas que estão relacionadas ao odor e fazer uma comparação entre a idade evolutiva (quando cada mutação entrou no genoma) e se elas deixaram os receptores mais ou menos sensíveis aos cheiros ao longo do tempo.

“Resumindo toda a variação genética publicada que se associa à percepção de odor, descobrimos que indivíduos com versões ancestrais dos receptores tendem a classificar o odor correspondente como mais intenso”, escrevem os cientistas no estudo publicado na revista científica Plos Genetics em 3/2.

De acordo com os pesquisadores, os resultados se alinham à hipótese de que o repertório de genes olfativos de primatas diminui ao longo do tempo.

Não há consenso

A teoria que o olfato teria se enfraquecido ao longo da evolução humana ainda é bastante debatida na comunidade científica. Alguns pesquisadores acreditam que, quando a visão se tornou o sentido dominante, o olfato ficou em segundo plano.

A principal evidência para suportar essa hipótese é que outros mamíferos têm centenas de genes olfativos a mais do que os humanos, e a metade dos que nós ainda temos não funciona.

Em contrapartida, outra corrente de cientistas acredita que o olfato humano não é tão ruim assim, e mesmo com genes a menos, somos melhores em diferenciar odores.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações