metropoles.com

Homem é infectado com bactéria e descobre espinha de peixe no coração

Chinês só descobriu a espinha depois de passar por exames de imagem. Médicos não sabem explicar como o objeto foi parar no órgão

atualizado

Compartilhar notícia

Luis Diaz Devesa/Getty Images
Foto mostra espinha de peixe disposta em prato com as bordas roxas - Metrópoles
1 de 1 Foto mostra espinha de peixe disposta em prato com as bordas roxas - Metrópoles - Foto: Luis Diaz Devesa/Getty Images

Na China, um homem de 51 anos foi hospitalizado com uma infecção e descobriu estar com uma espinha de peixe alojada em seu coração. Os médicos responsáveis pelo caso não sabem explicar como o objeto foi parar no órgão.

É relativamente comum que espinhas de peixe engolidas perfurem partes do sistema digestivo. No caso deste paciente, porém, ela foi parar no lado esquerdo do coração, se alojando na veia pulmonar e fazendo o sangue vazar dentro do corpo. O caso foi relatado na revista científica European Heart Journal em abril.

O homem foi ao hospital depois de passar duas semanas com febre. Ele foi diagnosticado com uma infecção pela bactéria Staphylococcus aureus — o patógeno é comum, mas quando cai na corrente sanguínea, pode levar o paciente à morte.

Foto mostrao crescimento de uma colônia de bactérias Staphylococcus aureus em um gel de laboratório
Colonia de bactérias Staphylococcus aureus cultivada em laboratório

Os médicos não entendiam como o paciente tinha sido infectado, e decidiram fazer exames de imagem. Foi aí que detectaram um corpo estranho no coração do homem. Durante a cirurgia para retirá-lo, os cirurgiões encontraram uma espinha de peixe de 2,5 centimetros, que provavelmente estava contaminada com a bactéria.

O paciente foi tratado com antibióticos que resolveram a infecção, apesar de o Staphylococcus aureus ser resistente. “É uma infecção que não acontece fácil, mas todo médico de emergência e infectologista tem receio de se deparar com esse tipo de estafilococo. É uma luta árdua entre a vida e a morte”, afirmou o infectologista Claudio Stadnik, da Clínica Herter, em Porto Alegre, à época da morte do neto do presidente Lula, de apenas 7 anos, por consequência da mesma bactéria.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações