Deficiência de testosterona pode afetar disposição e libido feminina

Médico da Sociedade Brasileira de Endocrinologia explica como o hormônio influencia a saúde das mulheres

atualizado 04/04/2021 12:17

Sono mulher dormindoPixabay

Indisposição, fadiga, acúmulo de gordura, dificuldade para obter massa muscular e falta de interesse sexual podem ser alguns dos sintomas que indicam carência de testosterona no organismo das mulheres.

Responsável pelo aumento da musculatura, pelo engrossamento da voz e pelo aparecimento de barba nos homens, o principal hormônio sexual masculino também está presente nas mulheres – mas em menores concentrações.

Obesidade, sedentarismo e ansiedade são alguns dos fatores que tendem a reduzir a presença do hormônio no organismo.

“Às vezes, (a redução da testosterona) se confunde com algum transtorno de humor. A pessoa fica mais depressiva, com menos disposição, e vivencia a perda da libido”, diz o médico Fernando Alves, endocrinologista do Hospital Santa Lúcia e titular da Sociedade Brasileira de Endocrinologia.

Reposição da testosterona

Praticar atividades físicas regularmente – ao menos três vezes por semana – e seguir uma alimentação saudável, livre de alimentos gordurosos, industrializados e frituras, são ações que tendem a melhorar os sintomas da baixa hormonal.

O principal critério para a indicação da suplementação da testosterona nas mulheres é a desordem do desejo sexual hipoativo (DHEH), transtorno que causa deficiência persistente ou recorrente do desejo sexual. O desequilíbrio hormonal pode levar a dificuldades interpessoais e ao sofrimento da paciente, por isso o tratamento é indicado.

O hormônio pode ser reposto na forma de fitoterápico, comprimido, gel, creme, adesivo transdérmico ou injeção intramuscular, sempre com orientação médica. “Normalmente, a primeira indicação para a administração do medicamento é por via cutânea (em gel), daí se avalia se a paciente obteve o ganho desejado”, explica Alves.

O endocrinologista critica o “uso recreativo” da testosterona para fins estéticos, como perder gordura visceral, ganhar massa magra e melhorar da resistência física.

De acordo com o especialista, dosagens muito altas podem acarretar efeitos colaterais, como queda de cabelo, unha quebradiça, acne, aumento de pelo facial e corporal, desregulação da menstruação, aumento das taxas de colesterol, risco de infarto e problemas de fertilidade.

“O tratamento precisa ser muito bem acompanhado. Nem todas as mulheres têm indicação para fazer a reposição. A mulher pode ter um ganho no começo, sentir-se bem, mas acabar atrapalhando vários outros aspectos de sua saúde”, pondera.

Mais lidas
Últimas notícias