metropoles.com

Coronavírus: vale a pena investir em um protetor facial (face shield)?

Especialistas esclarecem a efetividade de usar as viseiras que cobrem todo o rosto e começaram a ser vendidas no Distrito Federal

atualizado

Compartilhar notícia

Hugo Barreto/Metropoles
Viseira de proteção coronavírus
1 de 1 Viseira de proteção coronavírus - Foto: Hugo Barreto/Metropoles

população do DF está obrigada a usar máscaras de proteção facial em todos os espaços públicos desde o dia 30 de abril. O acessório de segurança contra o novo coronavírus passou a fazer parte do cotidiano do brasiliense, mas um outro item começa a ganhar as prateleiras de mercados e desperta questionamentos. O face shield (protetor facial) é recomendado pelas autoridades de saúde? Ele substitui a máscara de pano? É melhor ou pior do que ela?

A resistência ao uso da máscara convencional faz com que pessoas busquem alternativas. Ciente desse problema nos Estados Unidos, Eli Perencevich, médico de doenças infecciosas da Universidade de Iowa, chegou a argumentar em artigo publicado no mês passado no JAMA, que os protetores faciais simples, aqueles transparentes de plástico, poderiam ajudar a reduzir a transmissão da Covid-19. Isso, no entanto, se estivessem acompanhados de medidas de saúde pública, como aumento de testes, rastreamento de contatos, distanciamento social e higiene das mãos.

Infectologistas ouvidos pelo Metrópoles, entretanto, são unânimes em afirmar que o face shield é aconselhado apenas para os profissionais de saúde e não substitui a proteção de uma máscara convencional.

A utilidade do face shield, em geral, é evitar que gotículas de saliva contaminadas alcancem o rosto, inclusive os olhos, de quem está usando. Esse objetivo, porém, é cumprido com sucesso pela proteção convencional, desde que todos usem.

“O face shield tem uma função, que é proteger o profissional da área de saúde ao fazer algum procedimento invasivo no paciente. Ele não substitui a máscara, não faz sentido andar pela rua com um desses e sem a máscara. As pessoas estão usando o protetor facial pensando em uma sensação de segurança que é falsa”, explica Leandro Machado, infectologista da Clínica Atos.

E como complemento?

Usá-lo como complemento à máscara de pano também não é aconselhável à população em geral, de acordo com o médico, porque exige práticas de higiene com as quais as pessoas que não são da área de saúde não estão acostumadas. Além disso, o protetor costuma embaçar.

O infectologista Leonardo Weissmann, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), reforça a indicação do face shield apenas em ambientes hospitalares. “Os protetores faciais são um complemento aos equipamentos de proteção individual e podem reduzir a transmissão de partículas. Trata-se de um dispositivo indicado aos profissionais da saúde. Para a população em geral está recomendado o uso da máscara caseira de proteção.”

Marcos Pontes, clínico geral e coordenador da Clínica Médica do Hospital Santa Lúcia Norte, também destaca que o protetor facial deve ser usado apenas “para realizar procedimentos invasivos em ambiente hospitalar.” Ele ressalta que a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para evitar o novo coronavírus é clara: “O uso de máscara e os cuidados com a higienização”.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações