metropoles.com

Conselheiro da OMS: varíola de macaco foi espalhada em raves na Europa

O surto teria surgido a partir de duas festas de música eletrônica. Especialistas alertam que a varíola não é uma “doença gay”

atualizado

Compartilhar notícia

Gettyimages
festa, dançar
1 de 1 festa, dançar - Foto: Gettyimages

De acordo com o epidemiologista David Heymann, conselheiro da Organização Mundial de Saúde (OMS), o surto de varíola de macaco provavelmente é um evento “aleatório”, e surgiu depois de duas festas de música eletrônica na Europa: uma na Espanha e outra na Bélgica.

“Sabemos que a varíola de macaco pode ser espalhada quando há contato próximo com as lesões de uma pessoa infectada, e parece que o contato sexual pode ter amplificado a transmissão”, explicou o professor, em entrevista à rede de notícias Associated Press.

O especialista, que também faz parte da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, no Reino Unido, afirma que, provavelmente, uma pessoa infectada desenvolveu lesões nos genitais ou nas mãos, e contaminou outros durante o sexo ou um outro tipo de contato físico. A princípio, a transmissão não acontece pelo sêmen, e sim pelo líquido das feridas típicas da doença.

O vírus da varíola de macaco também tem transmissão por gotículas, mas, nesta modalidade, seu poder de infecção é muito menor do que o da Covid-19, por exemplo. Em um ambiente de aglomeração, como as raves, a doença pode ter se espalhado para indivíduos de outros países, o que explicaria os casos isolados em locais tão diferentes.

“Não é uma doença de pessoas gays”

A OMS afirmou, no sábado (21/5), que a maioria (mas não todas) as pessoas infectadas são homens gays ou bissexuais. A informação criou uma onda de estigma contra os grupos, que estão sendo culpados por espalhar a doença.

“Essa não é uma doença de pessoas gays, como alguns tentaram rotular nas redes sociais. Não é o caso. Qualquer pessoa pode ter varíola de macaco com contato próximo, você não precisa fazer sexo para transmitir o vírus. Contato pessoal é suficiente”, afirmou outro conselheiro da OMS, o infectologista Andy Seale.

0

“Não é sobre sexualidade”

O professor de saúde pública Andrew Lee, da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, escreveu, no site de divulgação científica The Conversation, que é importante informar a população sobre as formas de transmissão da varíola de macaco para não criar um medo irracional na comunidade LGBTQI+.

“Não é sobre sexualidade: as pessoas tendem a se infectar pelo contato físico próximo, e ele não precisa ser sexual. Uma boa proporção de casos até agora aconteceu com homens que fazem sexo com homens, mas isso reflete apenas a rede social. O surto poderia ter surgido da mesma maneira em um grupo de amigos heterossexuais, ou em um time que pratica esportes junto. Se fosse o caso, eles seriam estigmatizados como estão sendo os pacientes gays e bissexuais?”, questiona o professor.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações