Cientistas brasileiros conseguem curar paciente com Aids; 3º caso no mundo

O estudo foi realizado na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) com 30 voluntários, todos com carga viral do HIV indetectável

atualizado 07/07/2020 13:10

iStock

A 23ª Conferência Internacional de Aids, organizada pela Sociedade Internacional de Aids, irá apresentar nesta terça-feira (7/7) uma pesquisa brasileira na qual cientistas dizem ter conseguido eliminar o vírus HIV de um paciente que vivia com ele há sete anos. Esse é o terceiro caso registrado em todo o mundo.

O estudo, iniciado em 2013, foi conduzido na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e traz esperança para as pessoas com a doença. Os cientistas contaram com  30 voluntários , todos com carga viral do HIV indetectável no organismo – pessoas com carga viral baixa que não transmitem a doença –  e faziam tratamento padrão com coquetéis para a Aids.

Os voluntários foram divididos em seis grupos e receberam diferentes combinações de remédios. Responderam melhor ao tratamento os que tomaram os antirretrovirais dolutegravir e o maraviroc. As medicações fizeram o vírus sair do estado de latência, aparecendo no organismo. A nicotinamida e a auranofina potencializaram o efeito das drogas.

Depois de participar do ensaio liderado pelo infectologista Ricardo Sobhie Diaz, o paciente brasileiro parou de tomar os medicamentos contra a Aids e está há 17 meses sem sinais do vírus no organismo.

A Unifesp desenvolveu também uma vacina com células dendríticas, capazes de ensinar o sistema imunológico do paciente de Aids a identificar a célula infectada e reagir contra ela.

Últimas notícias