“Cenário é otimista, mas pandemia não acabou”, diz diretora da Opas

Número de mortes por Covid caiu 15,2% nos países americanos na última semana. Fim da pandemia, entretanto, depende do contexto mundial

atualizado 20/04/2022 15:17

Carissa Etienne - diretora da OPAS Reprodução

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Carissa Etienne, afirmou nesta quarta-feira (20/4) que, apesar de estarmos em um momento de redução de casos e mortes por Covid, a pandemia ainda não chegou ao fim.

“Ainda estamos em uma situação de emergência e os países devem estar prontos para aumentar rapidamente as medidas (de controle do vírus)”, disse Etienne, em coletiva de imprensa sobre a evolução do coronavírus nas Américas.

A representante lembrou que os países têm autonomia para decidir sobre as medidas internas de saúde pública de enfrentamento à Covid-19 – isso, no entanto, não significa que possam decretar o fim da pandemia. Etienne lembrou que o vírus está ressurgindo em alguns países do mundo, como na Ásia, em parte da Europa e no Canadá.

Na quarta-feira (13/4), o comitê de especialistas reunido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para avaliar o cenário decidiu manter o status de pandemia para a emergência de saúde pública provocada pela Covid-19. Os especialistas avaliaram que o coronavírus segue oferecendo risco contínuo de disseminação internacional. Nesta quarta, Etienne reforçou que as características de transmissão do vírus exigem uma resposta internacional coordenada.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

 

O diretor de emergências de saúde da Opas, Ciro Ugarte, explicou que os países têm autonomia para decretar o fim do estado de emergência em seus territórios. “Se o país tem baixa transmissão comunitária, alta cobertura vacinal, poucas mortes e poucos casos positivos, pode considerar definir o fim do estado de emergência”, afirmou Ugarte.

“Efetivamente, o número de óbitos e casos foram reduzidos aos níveis mais baixos nas últimas semanas, talvez desde o início da pandemia, mas não é o momento para abaixar a guarda. A única forma de chegarmos ao final da fase aguda é ter boa vacinação, vigilância próxima e resposta clínica”, completou.

Cenário otimista

Na última semana, foram registrados 490.527 casos de Covid-19 nos países das Américas, uma queda de aproximadamente 2,3% em relação à semana anterior. As mortes somaram 4.797, queda de 15,2% em comparação com a semana passada.

“A dissociação das taxas de mortalidade e novas infecções é a prova de que as vacinas estão funcionando bem para proteger as pessoas de hospitalizações e mortes por Covid-19”, afirmou Etienne.

Mais de 1,7 bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 foram distribuídas na região das Américas nos últimos 16 meses, segundo os dados da Opas. Mais de dois terços das pessoas na América Latina e no Caribe receberam duas doses das vacinas.

Catorze países das Américas, incluindo o Brasil, já alcançaram a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de vacinar totalmente 70% das suas populações antes de 30 de junho. “O esforço de vacinação contra a Covid-19 tem sido o maior programa de imunização da história. O sucesso é possível quando países e pessoas trabalham juntas para adotar as vacinas. Muitos países de nossa região têm algumas das taxas de cobertura mais altas do mundo”, continuou a diretora.

Mais lidas
Últimas notícias