Casal gera bebê a partir de espermatozoide congelado há 26 anos

Após ser diagnosticado com câncer em 1996, Peter Hickles decidiu congelar seu esperma. Amostras permanecem viáveis por apenas 10 anos

atualizado 27/10/2022 21:40

Foto colorida de pés de bebê Unsplash/Reprodução

Apesar de amostras de esperma congeladas serem consideradas viáveis por apenas 10 anos, um casal do Reino Unido conseguiu gerar um bebê saudável utilizando espermatozoides colhidos há 26 anos. Peter Hickles, ex-jogador de futebol, congelou a amostra quando tinha apenas 21 anos, após ser diagnosticado com linfoma de Hodgkin – uma forma rara de câncer. A quimioterapia usada para tratar a doença pode causar infertilidade permanente, exatamente o que aconteceu com o britânico.

Hickles decidiu congelar o esperma porque gostaria muito de ser pai e, caso ficasse infértil por conta do tratamento, queria poder ter um filho no futuro. Depois de 26 anos, ele e a noiva, Aurelija Aperaviciute, utilizaram a amostra e o procedimento deu certo — ela deu à luz no dia 20 de outubro ao menino Kai.

“O bebê é um pequeno milagre. O fato de ele ter nascido antes da Copa do Mundo é incrível. O futebol está definitivamente no sangue dele. Talvez ele veja o Spurs ganhar a liga um dia, quem sabe. É incrível pensar que ele esteve congelado todo esse tempo”, afirma Hickles ao jornal The Sun.

Câncer

Hickles começou a se sentir mal enquanto jogava por um time do interior da Inglaterra. No início, os profissionais de saúde acreditavam que ele sofria de artrite reumatóide. No entanto, apenas duas semanas depois de desembarcar na Austrália para um período de férias, recebeu a notícia sobre a detecção do linfoma de Hodgkin. O britânico teve de retornar para o Reino Unido para começar o tratamento.

O linfoma de Hodgkin se desenvolve no sistema linfático, uma rede de vasos e glândulas espalhadas por todo o corpo. Os sintomas incluem principalmente inchaço, que podem ser acompanhados por dor ou não. Os pacientes também podem ter suores noturnos, perda de peso e febre.

Por conta do tratamento, que envolveu, no caso do ex-atleta, nove rodadas de quimioterapia, Hickles foi aconselhado a colher e congelar esperma.

Chegada do bebê

Quando o casal decidiu ter um filho, optou pela fertilização in vitro e, para a surpresa dos dois, a amostra de esperma armazenada há 26 anos foi considerada viável.

A leis britânicas permitem que o espermatozoide permaneça armazenado por até 55 anos. Apesar de inusitada, a diferença de 26 anos entre a doação de Hickles e o nascimento de Kai não é um recorde. Anteriormente, outro casal utilizou um espermatozoide de 27 anos e seis meses em uma gravidez bem sucedida.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias