Bruxismo afeta 40% da população brasileira, principalmente mulheres

Condição é involuntária e provoca o ranger ou apertar de dentes, especialmente à noite. Ansiedade, estresse e depressão podem colaborar

atualizado 18/03/2019 17:35

MangoStar_Studio, Istock

bruxismo é um hábito involuntário de ranger ou apertar os dentes, contraindo os músculos da mandíbula que, normalmente, ocorre durante o sono. Essa pressão pode levar ao desgaste e amolecimento dos dentes, bem como a problemas ósseos, na gengiva e na articulação da mandíbula. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que 40% da população brasileira sofre com esse problema, que afeta principalmente às mulheres.

Segundo a cirurgiã dentista Ianara Pinho, alguns sintomas comuns do bruxismo são dor na face, no pescoço, próxima do ouvido e na cabeça, principalmente, nas têmporas. “Infelizmente, na maioria dos casos, o diagnóstico é tardio, o que dificulta a recuperação até mesmo dos dentes, que tendem a desgastar-se”, explica a especialista. A dentista conta que o primeiro passo para tratar o bruxismo é analisar o estado da arcada dentária e quais são as possíveis causas da disfunção.

O bruxismo normalmente está associado a fatores fisiopatológicos, psicossociais, hereditários e genéticos. Além disso, também pode estar relacionado a questões emocionais, como ansiedade, depressão e estresse.

Entre as opções de tratamento, a placa de acrílico na boca ajuda a controlar o desgaste dos dentes e também a dor muscular na face. A fisioterapia facial ou quiropraxia também podem ajudar. Há casos em que o travamento dos dentes faz com que a articulação temporomandibular (ATM), que liga o maxilar à mandíbula, se solte ou se desgaste de maneira severa. Nesses casos, é necessário fazer a correção cirúrgica. 

 

Últimas notícias