Anvisa aprova venda de medicamento que previne crises de enxaqueca

Tratamento consiste em uma injeção mensal do composto ativo erenumabe, que atua no organismo bloqueando a proteína relacionada às crises

atualizado 26/03/2019 18:48

Mykyta Dolmatov, Istock

O Brasil receberá em breve um novo medicamento, que terá o nome comercial de Pasurta, desenvolvido especificamente para pessoas que sofrem com enxaquecas. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a venda do remédio no início desta semana, informa a Folha de São Paulo. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que cerca de 15% da população mundial sofre com a doença.

A comercialização no Brasil será feita pela farmacêutica Novartis, mas o preço ainda não foi divulgado. Nos EUA, o medicamento tem o nome de Aimovig, fabricado pela Amgen e Novartis, e foi liberado pela Food and Drug Administration (FDA, em inglês), agência reguladora norte-americana, em maio do ano passado. Lá, o preço é bastante salgado: o custo anual é de US$ 6.900, ou seja, mais ou menos R$ 2 mil por mês pela cotação atual do dólar.

O tratamento consiste em uma injeção mensal do composto ativo erenumabe, que atua no organismo bloqueando a proteína CGRP, relacionada às crises de enxaqueca. Para quem sofre com a doença, os sintomas normalmente incluem fortes dores de cabeça, enjoo e sensibilidade a luz, e as crises ocorrem mensalmente ou até de 15 em 15 dias.

O medicamento já foi usado por 175 mil pacientes, sendo que em metade deles houve redução de 50% nas crises de enxaqueca. A expectativa da farmacêutica é iniciar a venda do Pasurta ainda neste ano. No momento, o remédio deve aguardar uma definição de limite de preço por parte da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED).

Últimas notícias