metropoles.com

Remédio à base de cogumelos pode tratar anorexia, sugere estudo

Pesquisa da Universidade da Califórnia mostrou que a pílula feita a partir de cogumelos alucinógenos dá injeção de bom-humor no cérebro

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
Foto mostra pequenos cogumelos de cor marrom aflorando em meio a musgos verdes - Metrópoles
1 de 1 Foto mostra pequenos cogumelos de cor marrom aflorando em meio a musgos verdes - Metrópoles - Foto: Reprodução

Uma nova pesquisa mostra que um remédio feito à base de cogumelos alucinógenos pode funcionar para tratar a anorexia nervosa em mulheres. No distúrbio de imagem, a pessoa cria uma obsessão pela magreza que pode desencadear desnutrição e até a morte. Apesar da gravidade, ainda não existe medicamento direcionado para o tratamento da condição.

A aposta é um remédio experimental à base de psilocibina, extraída dos cogumelos do gênero Psilocybe. Os fungos têm potência alucinógena que parece ser efetiva para diminuir a ansiedade característica da anorexia ao aumentar os níveis de serotonina e dopamina, neurotransmissores associados ao prazer e ao humor.

Os efeitos positivos do tratamento foram publicados na revista Nature na segunda-feira (24/7). Os pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, reuniram dez mulheres selecionadas em um universo de 158 voluntárias. As dez tinham o diagnóstico de anorexia nervosa e todas receberam uma dose única de 25 mg de psilocibina.

Os resultados dos testes indicaram que as preocupações com o peso caíram significativamente já no primeiro dia após a ingestão da substância. A diminuição da angústia em relação ao peso corporal se manteve nos três meses seguintes ao uso da psilocibina.

Ilustração mostra mulher com cor de pele rosa e cabelo roxo e muitas linhas marcadas no corpo
Cerca de 70 milhões de pessoas no mundo têm anorexia nervosa

Anorexia diminui, mas o peso não sobe

Cinco das pacientes chegaram a engordar depois de usarem o remédio experimental, mas o ganho de peso não foi considerado suficiente. Os efeitos práticos de bem-estar precisam ser acompanhados, segundo os cientistas, por um programa de reeducação alimentar.

Não foram observados efeitos colaterais graves. Na realidade, nove participantes chegaram a pedir doses de reforço do medicamento. Ainda assim, os pesquisadores avaliam que é preciso testar outras doses, frequências de uso e outros públicos para determinar a eficácia da substância.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações