4ª onda: suplementos podem amenizar a fraqueza durante Covid longa

A astenia, ou sensação de fraqueza e falta de energia generalizada, é um dos sintomas recorrentes entre pessoas recuperadas da Covid-19

atualizado 22/06/2022 17:12

Fadiga pandêmicaGetty Images

Aproximadamente 20% das pessoas que são infectadas pelo coronavírus desenvolvem Covid longa, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A condição faz com que milhões de pessoas em todo o mundo sofram sintomas como fraqueza, exaustão e problemas cognitivos, por exemplo, por quatro semanas ou mais após a infecção.

A astenia, ou sensação de fraqueza e falta de energia generalizada, é um dos sintomas mais recorrentes. O médico infectologista do Grupo Santa e chefe da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Santa Lúcia Werciley Junior explica que a condição é causada pelo estresse celular durante a infecção.

“A Covid-19 é uma doença que causa um processo inflamatório no corpo, podendo causar danos celulares ou até mesmo a perpetuação desse processo e perdurar por muito tempo. Ou seja, o corpo permanece inflamado, o que causa alguns sintomas”, afirma.

Além da Covid-19, a condição também pode ser causada por outros fatores, como gripes e resfriados, problemas de tireoide, deficiências vitamínicas ou exposição a alguns tratamentos, como a quimioterapia, levando à perda de força e à fadiga, cansaço recorrente e fraqueza.

De acordo com o infectologista, em pacientes com Covid longa, o problema pode ser amenizado com a suplementação de nutrientes que ajudam a controlar e diminuir o estresse mitocondrial – unidade da célula responsável pela fabricação de energia –, como as proteínas NADH, coenzima Q10 e Pirroloquinolina Quinona (PQQ), usadas também em outras doenças que causam fadiga.

A NADH possui um substrato usado para a formação e manutenção da energia — quanto maior a quantidade da substância presente no organismo, maior será a produção de energia pelas células. A coenzima Q10, também conhecida como ubiquinona, é essencial na produção mitocondrial de energia, possui atividade antioxidante, ajuda a controlar o colesterol e triglicérides e alguns estudos já encontraram relação entre a suplementação da substância e a melhora nos sintomas da depressão em pessoas com transtorno bipolar. Já o PQQ é uma vitamina do complexo B, antioxidante, que participa de vários processos fisiológicos e estimula a produção de novas mitocôndrias.

“As três são pedaços proteicos energéticos que o corpo necessita. Quando suplementamos, estamos dando em maior quantidade para que o funcionamento do organismo seja potencializado”, explica.

0

As proteínas são encontradas em alguns alimentos como abacate, amendoim e brócolis, e também podem ser adquiridas através de suplementação oral manipulada ou por medicamentos injetáveis. A dosagem varia de acordo com a necessidade de cada paciente e qualquer adição na dieta deve ser prescrita por um médico.

“É necessário fazer uma avaliação para entender qual é a realidade do paciente e fazer a melhor escolha da medicação”, afirma o especialista.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias