metropoles.com

Suspeito de hostilizar Alexandre de Moraes depõe à PF e nega agressão

Segundo advogado, Alex Zanatta Bignotto disse à Polícia Federal neste domingo que não ofendeu o ministro Alexandre de Moraes em Roma

atualizado

Compartilhar notícia

Daniel Ferreira/Metrópoles
celular Alexandre de Moraes Do Val
1 de 1 celular Alexandre de Moraes Do Val - Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

São Paulo — Um dos três brasileiros suspeitos de hostilizarem o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na última sexta-feira (14/7), no Aeroporto Internacional de Roma, prestou depoimento na manhã deste domingo (16/7) na sede da Polícia Federal (PF) em Piracicaba, no interior de São Paulo.

À PF, Alex Zanatta Bignotto negou ter proferido ofensas ao magistrado, segundo o advogado Ralph Tórtima Stettinger Filho, que representa ele e os outros dois suspeitos, o casal Andreia e Roberto Mantovani Filho. Este último teria agredido o filho de Moraes no aeroporto.

“Não houve nada direcionado ao ministro, não houve ofensa, eles negam isso”, afirmou o advogado. Segundo ele, seus clientes apenas testemunharam Alexandre de Moraes sendo ofendido por outras pessoas dentro do aeroporto, enquanto aguardavam para acessar a sala VIP.

“É nessa hora que há uma mistura ali, da mulher do senhor Roberto com outra mulher que estava no grupo junto com o ministro Alexandre. E aí há uma discussão entre essa duas mulheres. É isso o que acontece. Não houve da parte deles nenhuma ofensa ao ministro Alexandre de Moraes. Eles não foram lá para isso. Estavam voltando de viagem com crianças, uma de dois anos e outra de quatro anos. Foi uma confusão, e olha só o que gerou”, diz ao Metrópoles o advogado Ralph Tórtima Stettinger Filho.

Na noite de sábado (15/7), a PF instaurou um inquérito para apurar o episódio. O casal Mantovani também prestaria depoimento na manhã deste domingo, mas disseram que já tinham uma viagem prevista e devem prestar esclarecimentos na próxima terça-feira (18/7).

Agressões

Alexandre Moraes retornava ao Brasil com a família na sexta-feira (14/7), após participar de uma palestra no Fórum Internacional de Direito, na Universidade de Siena.

De acordo com a PF, a família foi abordada no Aeroporto Internacional de Roma por uma mulher identificada como Andreia, que xingou o ministro de “bandido, comunista e comprado”.

O filho do ministro teria sido agredido fisicamente pelo empresário Roberto Mantovani Filho, 71 anos, marido de Andreia. O casal vive em Santa Bárbara D’Oeste, no interior de São Paulo.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações