metropoles.com

Reajuste das polícias trava na Alesp em meio à pressão por emendas

Deputados da Alesp reclamam da falta de aceno do governo com emendas extras para aprovar projetos, como o reajuste salarial de policiais

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação/Alesp
Fotografia colorida mostra bancada da Presidência durante sessão extraordinária da Alesp - Metrópoles
1 de 1 Fotografia colorida mostra bancada da Presidência durante sessão extraordinária da Alesp - Metrópoles - Foto: Divulgação/Alesp

São Paulo – Teste de força para o governo Tarcísio de Freitas (Republicanos) na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), a votação do reajuste salarial das polícias, travada pela oposição nos últimos dois dias, coincide com a cobrança por emendas extras feitas pelos deputados ao Palácio dos Bandeirantes.

As emendas parlamentares são recursos do orçamento estadual utilizados pelos 94 deputados da Alesp para indicar obras e ações, como compra de ônibus escolares ou equipamentos de saúde, nos seus respectivos redutos eleitorais.

Pela lei, cada parlamentar tem direito a cerca de R$ 10 milhões em indicações que o governo é obrigado a cumprir, as chamadas emendas impositivas. No entanto, além dessa cota, os governantes costumam liberar valores extras aos deputados, seguindo critérios políticos, por meio de emendas voluntárias.

No governo João Doria (2019-2022), cada parlamentar recebeu cerca de R$ 20 milhões em emendas extras ao longo dos anos. O valor era muito superior aos R$ 6,6 milhões que eles tinham direito em emendas impositivas por ano naquele período.

Conforme noticiado pelo Metrópoles, em abril, o secretário estadual de Governo, Gilberto Kassab (PSD), havia negociado a liberação de R$ 1 milhão em emendas extras para cada deputado que integra a base governista na Assembleia.

Embora o gesto tenha sido bem visto por parte dos deputados da bancada, alguns parlamentares se queixaram que o valor era baixo em comparação às emendas “padrão Doria” e têm cobrado a liberação de novas emendas.

Parlamentares independentes e de oposição, por outro lado, têm reclamado que Kassab ainda não se reuniu com eles para discutir o tema. Inicialmente, o secretário de Governo havia sinalizado que conversaria com os deputados neste mês de maio, mas até o momento nenhuma reunião foi marcada.

Isso inclui a bancada formada pela federação entre PT e PCdoB, a segunda maior da Alesp, com 19 deputados. Reservadamente, alguns petistas criticaram o fato de o governo tentar emplacar um projeto de lei na Casa sem tentar negociar com a oposição.

Em relação ao reajuste salarial das polícias, o PT busca um acordo para emplacar ao menos uma emenda no PLC 75/2023, aprovado pelo congresso de comissões sem acatar nenhuma das 45 emendas propostas pelos deputados.

Ao conseguir adiar a votação do projeto por dois dias seguidos, o partido também enviou ao Palácio dos Bandeirantes a mensagem de que pode dificultar a tramitação de pautas do governo na Assembleia se não receber nenhuma contrapartida em troca.

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações