metropoles.com

Ouvidor da polícia apura denúncias em operação que matou 19 no litoral

Ouvidor das polícias foi a Santos colher informações sobre operação da PM que já resultou em 19 mortes no litoral; 3 policiais foram mortos

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação/Rota
Em foto colorida policial de costas, na qual aparece a palavra Rota sobre o colete, com viaturas de fundo durante operação de combate à violência - Metrópoles
1 de 1 Em foto colorida policial de costas, na qual aparece a palavra Rota sobre o colete, com viaturas de fundo durante operação de combate à violência - Metrópoles - Foto: Divulgação/Rota

São Paulo — O ouvidor das polícias de São Paulo, Cláudio Aparecido da Silva, visitou a Baixada Santista, no litoral paulista, nesse domingo (11/2), para colher informações sobre a atuação dos policiais na Operação Escudo, deflagrada após o assassinato de um PM, no fim de janeiro, e que já resultou em ao menos 19 suspeitos mortos em supostos confrontos com a polícia.

Segundo a Ouvidoria da Polícia, o órgão tem recebido denúncias através de moradores e de grupos em redes sociais, com vídeos, fotos e áudios, que mostram um “um recrudescimento assimétrico da violência nos últimos quatro dias” na Baixada Santista. “Nós temos denúncias de que pessoas inocentes têm morrido e estão sendo registradas como confronto”, afirmou o ouvidor à TV Tribuna.

Um dos casos suspeitos envolve a morte do catador de material reciclável José Marcos Nunes da Silva, de 45 anos, no dia 3/2, em uma suposta troca de tiros com policiais das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), em São Vicente. Segundo testemunhas, a vítima era catador de material reciclável. Na versão da polícia, ele teria sido abordado por policiais da Rota, perto de casa, e saiu correndo atirando contra os agentes, que revidaram.

Por conta das denúncias, entidades de defesa dos direitos humanos também foram a algumas comunidades na região onde os suspeitos foram mortos colher informações. O ouvidor pretende elaborar um relatório a partir dos relatos obtidos na Baixada para encaminhar ao Ministério Público (MPSP) e às corregedorias da Polícia Militar e Civil.

0

Guerra no litoral

Até o momento, a escalada da violência na Baixada Santista já deixou 19 suspeitos mortos em supostos confrontos com policiais militares. Três PMs também foram assassinados nas últimas duas semanas.

O início dos confrontos começaram após a morte do PM Marcelo Augusto da Silva, assassinado em 26 de janeiro. Ele atuava na Operação Verão quando foi baleado. No dia seguinte, o secretário da Segurança Pública, Guilherme Derrite, ordenou uma nova fase da Operação Escuda, deflagrada para capturar assassinos de policias.

No dia 2 de fevereiro, durante uma incursão em uma favela de Santos, o soldado Samuel Wesley Cosmo, 35 anos, da Rota, foi baleado no rosto e morreu. A cena foi filmada pela câmera corporal do agente.

Cinco dias depois, o cabo José Silveira dos Santos foi assassinado na região do Morro de Tetéu, em Santos. Após o novo caso, Derrite decidiu transferir seu gabinete para a cidade do litoral e intensificar as ações policiais na região em busca dos autores dos crimes contra os policiais.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações