metropoles.com

Ouvidor pede norma contra bullying após ataques a PM que não agiu

Ouvidor das polícias de SP afirma que PM investigada por não agir quando homem apontou arma a jovem suspeito é alvo de ataques de colegas

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Ponte Jornalismo
Em foto colorida PM feminina fardada faz sinal com a mão esquerda, como se fosse um telefone, perto do ouvido esquerdo - Metrópoles
1 de 1 Em foto colorida PM feminina fardada faz sinal com a mão esquerda, como se fosse um telefone, perto do ouvido esquerdo - Metrópoles - Foto: Reprodução/Ponte Jornalismo

São Paulo — O ouvidor das polícias de São Paulo, Cláudio Aparecido Silva, pediu para o comando do Polícia Militar (PM) elaborar uma norma que proíba a disseminação de conteúdos “depreciativos, jocosos ou que firam o moral de indivíduos” em grupos de policiais.

O pedido foi feito após a policial militar Tamires Borges ser alvo de bullying por meio de memes e mensagens de misoginia em grupos de WhatsApp porque não agiu durante uma polêmica abordagem ocorrida em frente à estação Carandiru do Metrô, na zona norte paulistana, no último domingo (12/11).

0

Na ocasião, um homem, posteriormente identificado como policial civil Paulo Kim, apontou uma arma para um jovem negro suspeito de tentar praticar um assalto no local. A PM, que estava fardada e testemunhou a cena, foi abordada pelo repórter fotográfico que filmou o episódio com um pedido para fizesse uma intervenção.

Tamires, contudo, diz ao autor do vídeo que está de folga e o orienta a ligar para o número 190 da PM. Na sequência, o jovem que estava sob a mira da arma se aproxima e ela chuta o rapaz para afastá-lo. O autor do vídeo (veja abaixo) reclama e diz que a polícia “não serve para nada”, momento em que Tamires ameaça prendê-lo.

Após a repercussão do vídeo, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) disse a soldado Tamires Borges vai responder criminal e disciplinarmente pela omissão durante a abordagem. À CNN, a policial disse foi “crucificada” e que está “sob forte pressão psicológica”.

O ouvidor emitiu uma nota na qual afirma que “repudia qualquer forma de violência, incluindo as de ordem psíquica e emocional, como a que vem ocorrendo neste momento com a policial militar”.

“Uma série de memes foram produzidos e tem ganhado ampla circulação em grupos de policias em redes como WhatsApp, causando sofrimento psíquico à referida policial, enquanto seu comportamento encontra-se ainda em processo de instrução pelos canais correcionais competentes”, afirmou a ouvidor

A Ouvidoria afirmou ainda que “tem como um de seus eixos de trabalho a saúde mental das forças policiais e não pode compactuar com procedimentos eivados de preconceitos e misoginia que, bem sabemos, tendem a crescer e causar prejuízos irreparáveis, sobretudo às mulheres”.

Segundo a SSP, a PM está afastada de suas funções até a conclusão de um inquérito policial militar instaurado para apurar sua conduta. A ouvidoria também afirmou que pediria o afastamento e desarmamento do investigador Paulo Kim, que protagonizou a ocorrência.

Como mostrou o Metrópoles, Paulo Kim já teve a arma apreendida no passado em meio a uma investigação sobre suposta ameaça à própria irmã e um tiro disparo na casa da mãe. Ele foi absolvido na esfera administrativa. Uma denúncia do Ministério Público de São Paulo pela ameaça à irmã prescreveu na Justiça.

Na última sexta-feira (17/11), o policial civil publicou um vídeo no qual afirma que reagiu a uma tentativa de assalto praticada pelo jovem negro que ele abordou com a arma e negou ter sido racista.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações