metropoles.com

Vídeo: PM fardada se nega a ajudar jovem ameaçado por homem armado

Caso ocorreu em frente à estação Carandiru do Metrô, da linha 1-Azul, na zona norte de SP; testemunha diz ter sido agredida por policial

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Ponte Jornalismo
foto colorida de jovem negro sendo ameaçado por homem armado em frente à estação de metrô Carandiru; PM assiste à cena e não intervém - Metrópoles
1 de 1 foto colorida de jovem negro sendo ameaçado por homem armado em frente à estação de metrô Carandiru; PM assiste à cena e não intervém - Metrópoles - Foto: Reprodução/Ponte Jornalismo

São Paulo – Uma policial militar fardada se negou a ajudar um jovem negro, que era ameaçado por uma arma de fogo, empunhada por um homem identificado até o momento somente como Paulo, por volta das 16h de domingo (12/11), em frente à estação Carandiru, da linha 1-Azul do Metrô, na zona norte de São Paulo. A PM classificou a conduta da policial como omissão.

Um vídeo, feito por uma testemunha (assista abaixo), começa com Paulo apontando uma pistola para o rapaz, que é imobilizado com uma chave de braço por outro homem. O registro foi revelado pelo site Ponte Jornalismo.

 

Nas imagens, as pessoas afirmam que o jovem teria tentado praticar um assalto no local. Ele não estava armado. O rapaz pede desculpas para Paulo e fica assustado, colocando as mãos em frente ao rosto, ao ver a arma. “Ele quer me matar.”

Nesse momento, o homem guarda momentaneamente a arma na cintura, após perceber que é filmado pela testemunha.

O rapaz consegue se desvencilhar da chave de braço e começa a correr. Paulo tenta lhe aplicar, sem sucesso, uma rasteira e saca novamente a arma da cintura, apontando-a em direção ao jovem, que para de correr perto da barraca de um ambulante.

A mulher que acompanha Paulo também corre e se coloca em frente ao jovem para evitar que o homem atire, pedindo para ele parar. Duas crianças, um menino e uma menina, estão com o casal.

Quando Paulo aponta a arma para o rapaz, ambos entram no campo de visão da PM, que está fardada, perto de uma das saídas do Metrô.

“Liga no 190”

A testemunha que registra o caso em vídeo informa à policial que o homem está armado. A PM faz um sinal com a mão, como se fosse um telefone, e afirma “liga no 190”.

O jovem pede para se sentar e é acompanhado o tempo todo por Paulo, com a arma em punho. Quando o rapaz se aproxima da policial, ela lhe dá um chute. “Ela está de folga, sai daí seu tranqueira”, diz Paulo, após a agressão da PM.

A violência assusta as crianças que acompanham o casal. Uma delas afirma querer ir para casa. A menina chega a gritar pedindo isso, mas é ignorada pelo homem armado.

O jovem consegue fugir, correndo, após ser ajudado por um homem sem camisa. Paulo guarda a arma na cintura e sai caminhando do local.

0

O professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública Rafael Alcadipani afirmou que o policial “tem a obrigação” de atuar 24 horas, como é determinado pelas normas da corporação.

“Diante dessa ação [do homem armado em frente à estação], a PM deveria ao menos ter acionado o 190, se percebesse que não tinha condições de atuar.”

O especialista acrescentou que a policial não agiu conforme o esperado, inclusive ao sugerir que as testemunhas ligassem para o 190.

“Vou te prender”

Quando a testemunha interpela a PM e pergunta “para que a polícia serve?”, a agente se exalta. “Se o senhor falar comigo desse jeito, eu vou te prender.”

Ela afirma ao homem que ele a desrespeitou. “Você falou que eu não presto para nada. Quem não presta é você. Eu estou de folga, o procedimento é ligar 190 e pedir viatura.”

No entanto, ela não ligou para pedir apoio nos mais de três minutos em que Paulo circulou com a arma, na calçada e em meio a outras pessoas. O vídeo é interrompido quando a policial parte para cima da testemunha.

Ao site Ponte Jornalismo, o homem afirmou que a policial o “agarrou pelo pescoço”. Ele disse, ainda, que não queria criticar a policial, mas a corporação.

Transgressão disciplinar grave

A Polícia Militar afirmou ao Metrópoles, por meio da Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo, que primeiramente apura o caso e investiga o paradeiro de Paulo.

Após essa apuração, a corporação acrescentou que o caso “pode ser tratado como transgressão disciplinar grave”.

A PM alega que a policial foi omissa e que isso “não condiz com as expectativas da sociedade e muito menos com as responsabilidades do profissional de segurança pública, que deve agir prontamente sempre que presenciar um crime, estando ou não em serviço”.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações