metropoles.com

“Dava aula porque curtia”, diz filho de professora morta em escola

Professora de Biologia, Elisabeth Tenreiro, de 71 anos, era técnica aposentada do Instituto Adolfo Lutz e escolheu a escola para dar aula

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Redes Sociais
imagem preto e branco de mulher
1 de 1 imagem preto e branco de mulher - Foto: Reprodução/Redes Sociais

São Paulo – “Ela dava aula porque curtia mesmo, já era aposentada”. É o que relata o filho de Elisabeth Tenreiro, 71 anos, assassinada na manhã desta segunda-feira (27/3) por um aluno na Escola Estadual Thomázia Montoro, na Vila Sônia, zona oeste de São Paulo.

“Ela não tinha muito com o que se preocupar em relação à vida financeira. Se aposentou do Instituto Adolfo Lutz para dar aula”, contou Marco Antônio de Moraes Barros Filho, um dos filhos de Elisabeth, ao Metrópoles.

Elisabeth estava em frente à mesa onde lecionava, conferindo o celular, quando o aluno a surpreendeu usando uma máscara e a golpeou ao menos dez vezes pelas costas. Segundo pais de estudantes, a professora teria apartado, na última semana, uma briga do adolescente que a matou com outro estudante, e por isso se tornou alvo dele.

0

“Escolheu a escola”

Professora de Biologia, Elisabeth foi técnica de laboratório no Instituto Adolfo Lutz, instituição laboratorial de ponta no estado, entre 1975 e 2020. Em 2015, começou a lecionar na rede pública e precisou escolher entre manter a carreira no laboratório ou seguir com o ensino.

“Ou ela continuava no Adolfo Lutz ou continuava na escola. E escolheu a escola”, disse Marco Antônio.

Elisabeth era recém-chegada à Thomazia Montoro. Até o ano passado, ela lecionava na E.E. Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo, no Alto de Pinheiros, também na zona oeste da capital paulista. Nas redes sociais, assumiu a postura de avó coruja e divulgava feitos das netas, além de fotos com os filhos e amigos.

No âmbito acadêmico, publicava nas redes conteúdos sobre química e biologia (“essa é boa mesmo”, riu de piada que dizia que “tem muito halogênio se achando gás nobre”). Também gostava de passar recados positivos aos estudantes antes das provas.

“Desejo a todos os alunos uma ótima prova. Confiram o que precisam para levar (documento, caneta, água), usem roupas confortáveis e tenham calma, que tudo dará certo. Boa prova”, escreveu ela no primeiro dia de avaliação do Enem, em novembro do ano passado.

Abaixo da postagem, uma seguidora comentou: “Professora, você é uma fofa”.

Além da professora morta, outras quatro pessoas ficaram feridas no ataque. Segundo a Polícia Militar de SP, tudo começou por volta das 7h20.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?