Stories é a melhor maneira para se conectar e consumir conteúdo

A ferramenta apareceu justamente no momento em que as pessoas querem cada vez mais se relacionar e mostrar momentos do dia a dia

atualizado 26/11/2018 10:24

istock

O Instagram Stories completou dois anos em agosto. Antes de começar, vou fazer um mea culpa. Duvidei que, simplesmente, copiar a funcionalidade de uma outra ferramenta (no caso, o Snapchat) daria certo em outra plataforma. Mas errei e hoje o Instagram tem no Stories, com conteúdos curtos e dinâmicos, o seu grande ponto de sucesso.

Na velocidade em que consumimos informações e usamos nossos celulares, o modelo proposto pelo Snapchat continua sendo perfeito. Rápido de fazer e de publicar e que sumia em 24 horas. O problema do Snap é que você não tinha a interligação com outra rede social. E isso dificultava a criação dos laços de amizade na rede.

No caso do Instagram, havia a base de dados do Facebook por trás. Isso ajuda bastante a criar a lista de amigos. Na verdade, você não tem que criar nada. Ela já vem importada do Facebook. Com isso, ganha agilidade. Não precisa perder tempo encontrando amigos. As suas amizades do Facebook que tem o Instagram instalado já podem se tornar seus seguidores.

É uma ferramenta para mostrar o nosso dia-a-dia e que foge um pouco da forma como o Instagram começou, que era tirar boas fotos e usar filtros e outras pequenas edições, para registrar momentos

A vontade e a necessidade das pessoas postarem momentos e fotos não para de aumentar. E o Stories apareceu justamente quando elas querem cada vez mais se relacionar e mostrar parte do dia-a-dia. Por terem menos produção, parece que se aproximam mais da “vida real”.

Foi descoberto um meio de comunicação mais ágil. Porém, como continuamos inquietos por novas formas de consumo de informação, é mais uma tentativa de atrair a nossa atenção sem termos que ficar nos distraindo com vários aplicativos/sites. E parece que o formato de Stories acertou em cheio essa nossa vontade. Hoje, é a melhor forma das pessoas se conectarem e consumirem conteúdo.

O fato é que ficamos cada vez mais grudados no celular e menos no desktop. O YouTube tem a origem no desktop. Já o Instagram vem com a essência do mobile. Um exemplo disso é o formato em que aparecem os vídeos nas duas plataformas.

Mesmo levando a funcionalidade para outras plataformas, como para o WhatsApp e para o próprio Facebook, o Stories do Instagram ainda é o que tem mais apelo do público. O número de usuários ativos no Facebook ainda é bem maior que os que usam o Stories do Instagram. São 2,2 bilhões contra cerca de 400 milhões. De acordo com o último levantamento feito pelo empresa We Are Social, mais de 57 milhões de brasileiros já usam a ferramenta que foi copiada do Snapchat.

O sucesso desse formato foi tanto que, depois do Google criar uma versão para distribuir notícias, agora é a vez do LinkedIn começar a testar publicações no formato de Stories. A rede social que tem o foco no relacionamento profissional, também já está experimentando um feed com fotos e vídeos curtos.

Com a estagnação do Facebook, a campanha para deletar a rede começou nas redes sociais logo após o caso da Cambridge Analytica, principalmente por conta dos dados que foram vazados. Mas parece que vai além disso. Talvez as pessoas tenham cansado do Facebook. E nesse mundo de hoje, com tudo muito rápido, querem mais novidades que aparentemente a plataforma não consegue mais oferecer.

Sorte do Zuckerberg que ainda tem o Instagram, com o Stories é claro, e o WhatsApp.

Leo Renato Bernardes é jornalista e especialista em marketing e comunicação digital

Mais lidas
Últimas notícias