metropoles.com

Iphan flexibiliza normas de ocupação em áreas de Brasília e desagrada

Normas autorizam construções na orla do Lago e comércio na Esplanada dos Ministérios. Grupos discordam de medidas e ameaçam entrar na Justiça

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Esplanada dos Ministérios
1 de 1 Esplanada dos Ministérios - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Portaria publicada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que estabelece novas regras de uso e ocupação da área tombada de Brasília, está sendo questionada por várias entidades do Distrito Federal. Entre as modificações estão a permissão para a construção de condomínios residenciais na orla do Lago Paranoá e para o funcionamento de pequenos comércios e serviços na Esplanada dos Ministérios. A norma também autoriza a criação de lotes no Eixo Monumental e a ocupação por outras atividades de áreas nas entrequadras do Plano Piloto, destinada, por exemplo, a clubes de vizinhança.

Entidades como o Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal (IHG), Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), Conselho Comunitário da Asa Sul, Frente Comunitária de Preservação do Sítio Histórico de Brasília e Distrito Federal, Associação Ecológica Parque das Sucupiras e representantes de prefeituras de quadras do Plano Piloto ameaçam ir à Justiça caso o Iphan não revogue a portaria.

De acordo com eles, a norma “é considerada conflitante com a legislação de proteção do Conjunto Urbanístico de Brasília e com instrumentos de planejamento e controle de uso do solo”. O grupo não poupa críticas. De acordo com o manifesto, as normas são “mais abrangentes e permissivas”, o que vai contra a posição da Unesco que, em 2012, “mostrou-se contrária sobre possíveis alterações de uso nas entrequadras, eventos na Esplanada e condomínios residenciais na Orla do Lago, entre outros pontos.”

De acordo com manifesto do grupo divulgado pelas redes sociais, o texto “apresenta, ainda, expressões imprecisas que dificultam o entendimento e suscitam interpretações subjetivas, especialmente com relação aos usos permitidos. Ao detalhar os critérios de intervenção, promove alterações de usos e gabaritos (com o aumento de um pavimento, em geral) em diversos setores. Em alguns setores, as alterações são contrárias à preservação e, em todos os casos, exigem precedentemente, estudos técnicos de impacto ao meio ambiente e de vizinhança.”

A Portaria 166 foi publicada no último dia 13/5 e estabelece normas complementares à Portaria 314/1992, que prevê as regras fundamentais para o tombamento de Brasília como Patrimônio Mundial da Humanidade. Na avaliação das entidades, o Iphan não teria competência para publicar o documento, principalmente porque “não houve publicidade ou qualquer tipo de participação da comunidade no processo de elaboração da portaria”, uma exigência constitucional.

Nova realidade
Para o Iphan, entretanto, o documento foi produzido em consonância com a realidade da cidade, que não pode ficar engessada ante o seu crescimento. O órgão garante que nenhuma das medidas ameaça o tombamento de Brasília. A intenção seria criar uma possibilidade de desenvolvimento organizado da capital do país:  “Trata-se de um instrumento de ação complementar à Portaria 314/92, com racionalidade técnica e jurídica suficiente para respaldar o processo de preservação do conjunto tombado, haja vista os desafios que lhes são inerentes”, destaca.

E defende a proposta:  “Tem-se consciência que boa parte do que se propõe integra o ideário preservacionista construído por diversos profissionais que se dedicaram a estudar Brasília ao longo de sua história. Coube ao Iphan sistematizar esses estudos, fazer a leitura crítica de suas proposições e construir uma proposta normativa atualizada, próxima da realidade urbana da área tombada e das questões cotidianas que envolvem a sua preservação”.

Evidentemente, o desafio que Brasília nos impõe no campo preservacionista não se resume à instituição de normas para a área tombada. A questão é mais complexa e nos exige novas abordagens, novos instrumentos e novas práticas de gestão, sobretudo uma leitura do conjunto tombado para além de sua condição patrimonial.

Iphan

O instituto criado para preservar o patrimônio nacional destaca que é preciso incorporar a dimensão urbana de Brasília, “posto que sua espacialidade, dinamismo socioeconômico e condição de 4ª metrópole nacional não podem ser ignoradas.”

PPCUB
Segundo protestam as entidades, a portaria do Iphan traz alterações previstas na antiga proposta de alteração do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB), que acabou suspensa devido, justamente, a essas reclamações.

A Secretaria de Gestão do Território e Habitação reconhece que houve participação da sua equipe na elaboração da portaria. Porém, destaca que a publicação das normas é responsabilidade do Iphan e que a nova proposta do PPCUB está em elaboração pela pasta.

Veja os pontos questionados pelo grupo na portaria publicada pelo Iphan:

  • Altera o uso das entrequadras para usos diversificados relacionados às características essenciais da escala residencial, excetuando o uso residencial e industrial, com redação imprecisa que permite interpretações subjetivas. Consta proposta similar na minuta do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB).
  • Nas superquadras sul e norte, estabelece o uso residencial multifamiliar como predominante e acrescenta prestação de serviços, em redação imprecisa.
  • Altera o uso residencial unifamiliar exclusivo dos setores SHIGS e SHCGN (Quadras 700) e do Cruzeiro Velho, passando a considerá-lo como uso predominante, sem restrições quanto a demais usos.
  • Altera o uso de clubes para hotéis no Trecho 4 do Setor de Clubes Sul, que darão lugar a condomínios residenciais fechados na orla do Lago Paranoá.
  • Admite a construção de estacionamento no subsolo do canteiro central do Eixo Monumental, na Esplanada dos Ministérios, com restrições.
  • Permite o desmembramento e a criação de novos lotes destinados a equipamentos culturais e de uso público, no Eixo Monumental entre a Praça do Cruzeiro e a EPIA.
  • Altera o uso dos lotes do Instituto Nacional de Meteorologia (Inemt), da Companhia Energética de Brasília (CEB) e da Companhia de Saneamento Ambiental de Brasília (Caesb), no Setor Sudoeste, mantendo o uso institucional como predominante e acrescentando atividades de apoio e prestação de serviços; permite o reparcelamento do lote do Inmet e define os parâmetros urbanísticos para novos lotes.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações