metropoles.com

Preços em queda: IPCA registra deflação de 0,08% em junho

Foi a menor variação para o mês de junho desde 2017, quando o IPCA teve deflação de 0,23%. No acumulado de 12 meses, inflação foi de 3,16%

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
imagem colorida carrrinho de supermercado corredor compras inflacao
1 de 1 imagem colorida carrrinho de supermercado corredor compras inflacao - Foto: Getty Images

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, registrou deflação de 0,08% em junho deste ano, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (11/7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Deflação é a queda generalizada de preços de produtos e serviços, de forma contínua. Esta foi a primeira queda de preços na base mensal em 2023, segundo os dados do IBGE.

Trata-se da menor variação para o mês de junho desde 2017, quando o índice teve deflação de 0,23%. E a primeira deflação em nove meses, desde setembro do ano passado, no auge do período eleitoral (-0,29%).

O resultado confirma a desaceleração da inflação nos últimos meses. Em maio, o IPCA ficou em 0,23%. Em abril, em 0,61%. Em março, em 0,71%. Em fevereiro, em 0,84%.

No acumulado de 12 meses até junho, a inflação oficial do país foi de 3,16%. Trata-se do menor nível da inflação anual desde outubro de 2020.

O resultado veio em linha com as estimativas dos analistas. O consenso Refinitiv, que reúne as principais projeções do mercado, previa deflação de 0,1% em junho e inflação de 3,17% no acumulado de 12 meses.

Segundo o Conselho Monetário Nacional (CMN), a meta de inflação para este ano é 3,25%. Como há intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, a meta será cumprida se ficar entre 1,75% e 4,75%.

De acordo com a última edição do Relatório Focus, do Banco Central (BC), o mercado projeta que a inflação termine 2023 em 4,95%, muito próxima do teto da meta definida pelo CMN.

Em 2022, o Brasil teve inflação acumulada de 5,79%. A taxa apurada ficou acima da meta estipulada pelo governo federal pelo segundo ano consecutivo.

Alimentos e bebidas puxam queda

De acordo com o IBGE, o resultado do IPCA em junho foi influenciado, principalmente, pelas quedas em alimentação e bebidas (-0,66%) e transportes (-0,41%).

Artigos de residência (-0,42%) e Comunicação (-0,14%) também tiveram recuo nos preços em junho. No lado das altas, o maior impacto (0,10 ponto percentual) e a maior variação (0,69%) no do mês vieram de habitação.

Resultado já esperado pelo mercado

Como o Metrópoles mostrou, o mercado já esperava deflação em junho. Dois motivos sustentavam essa percepção: a queda constante do preço de alimentos e o efeito contracionista sobre o mercado da taxa básica de juros, a Selic, fixada pelo BC, atualmente de 13,75% ao ano.

O economista André Braz, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), observa que o efeito da taxa básica de juros, a Selic, na economia é um dos elementos que explicam a queda da inflação. “Quando os juros sobem, fica mais difícil, por exemplo, o financiamento de bens duráveis, como máquinas de lavar, geladeiras e fogões”, diz. “Com isso, os preços desses produtos param de subir.”

Os juros definidos pelo BC, acrescenta Braz, também têm freado os aumentos no setor de serviços, onde inflação é bastante resiliente. “Em abril, o aumento da taxa esperado para esse segmento era de 7,5%, em 12 meses”, afirma. “Em maio, apenas um mês depois, ele já havia caído para 6,5%.”

Veja a variação de todos os grupos pesquisados

  • Habitação: 0,69%
  • Despesas pessoais: 0,36%
  • Vestuário: 0,35%
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,11%
  • Educação: 0,06%
  • Comunicação: -0,14%
  • Transportes: -0,41%
  • Artigos de residência: -0,42%
  • Alimentação e bebidas: -0,66%
0

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações