metropoles.com

Mercado espera desaceleração no 3º trimestre, mas vê PIB maior em 2023

Para analistas ouvidos pelo Metrópoles, PIB deve desacelerar entre julho e setembro, mas tendência é crescimento acima do esperado no ano

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
Imagem colorida de uma moeda de real em um quadro. Abaixo dela, forma-se a sigla "PIB", referente a Produto Interno Bruto - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida de uma moeda de real em um quadro. Abaixo dela, forma-se a sigla "PIB", referente a Produto Interno Bruto - Metrópoles - Foto: Getty Images

O resultado surpreendente do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no segundo trimestre, com alta de 0,9%, acima das projeções do mercado, deve ser sucedido por uma desaceleração da economia do país no período entre julho e setembro.

A avaliação é de economistas e agentes do mercado ouvidos nesta sexta-feira (1º/9) pela reportagem do Metrópoles. A tendência, no entanto, é a de que o PIB de 2023 seja maior do que indicavam as estimativas iniciais, talvez batendo nos 3% no fim do ano.

“Olhando para frente, por um lado, esperamos uma desaceleração da atividade econômica em consequência dos efeitos defasados da política monetária e da dissipação do impulso no período pós-pandemia. Por outro, ainda temos observado um alongamento do choque de oferta positivo, com um mercado de trabalho aquecido. Para 2023, estimamos um crescimento de 3%”, afirma Marco Caruso, economista-chefe do PicPay.

As projeções para o PIB do Brasil em 2023, que vêm sendo revistas por várias instituições financeiras nas últimas semanas, também devem ser refeitas pelo governo. Mais cedo, como noticiado pelo Metrópoles, o Ministério do Planejamento e Orçamento estimou que o país cresça 3% neste ano.

Em nota técnica, a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda também afirmou que já há possibilidade de a economia do país terminar o ano com um crescimento na casa dos 3%.

Segundo a última edição do Relatório Focus, divulgada no início da semana pelo Banco Central (BC), o mercado projetava que a economia brasileira terminasse 2023 avançando 2,31%, acima da projeção da semana anterior (2,29%).

Segundo Dierson Richetti, especialista em mercado de capitais e sócio da GT Capital, os principais destaques do PIB do segundo trimestre foram a indústria, os serviços e o consumo das famílias.

“O que chamou bastante atenção foi o desempenho da indústria, que foi positivo, apesar da desaceleração mundial como um todo”, diz. “Mas o principal destaque, na minha visão, fica com o consumo das famílias, que foi de 0,9%. Esse crescimento se deu em virtude do aumento da Bolsa Família e do reajuste do salário mínimo, em linha com a proposta do atual governo, que é mais assistencialista.”

Queda do agro

Em relação ao recuo de 0,9% da agropecuária, que havia sido o principal motor do PIB no primeiro trimestre deste ano, Marco Caruso afirma que o resultado veio dentro do esperado.
“Se considerarmos o crescimento surpreendente de 21% no trimestre anterior, o setor agrícola se mostrou mais resiliente do que estimávamos”, afirma.

Para Richetti, o desempenho do setor também não surpreendeu. “A arroba do boi está muito baixa. A própria negociação das commodities, como um todo, influencia. Agora vai entrar a safra americana e isso prejudica o mercado brasileiro em termos de competitividade”, explica. “A desaceleração do consumo e o preço das commodities interferiram no desempenho do agronegócio.”

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações