metropoles.com

Fed aumenta juros dos EUA em 0,25 p.p. e taxa é a maior em 22 anos

Taxa de juros dos EUA voltou a ser elevada pelo Fed, banco central americano. Novas altas não estão descartadas, segundo comunicado

atualizado

Compartilhar notícia

Alex Wong/Getty Images
Imagem colorida de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve
1 de 1 Imagem colorida de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve - Foto: Alex Wong/Getty Images

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), voltou a aumentar a taxa básica de juros da economia americana em 0,25 ponto percentual (p.p.). O anúncio foi feito nesta quarta-feira (26/7).

Com a mudança, os juros básicos subiram para um intervalo entre 5,25% a 5,5% ao ano, a maior taxa em 22 anos.

O aumento era esperado pelos mercados. Na reunião anterior, em junho, o comitê havia feito uma pausa no aperto monetário, mas indicado que novas altas poderiam vir na sequência.

Antes de interromper brevemente o ciclo, o comitê de política monetária, o Fomc, havia aumentado a taxa por dez reuniões seguidas, em movimento iniciado a partir de março de 2022.

Após a alta nesta quarta-feira, a dúvida que paira nos mercados é se o Fed promoverá mais aumentos até o fim do ano ou se o ciclo de aperto monetário será de vez interrompido.

Em comunicado após a decisão, o comitê afirmou que seguirá observando os indicadores da economia até a próxima reunião. O Fomc pontuou, na nota, que a taxa de desemprego nos EUA segue baixa e com atividade econômica crescendo, o que pode ser um risco para a volta da inflação à meta de 2%.

“Indicadores recentes sugerem que a atividade econômica vem crescendo em ritmo moderado. Os ganhos de empregos foram robustos nos últimos meses e a taxa de desemprego permaneceu baixa. A inflação continua elevada”, disseram os membros no comunicado desta quinta-feira.

“O comitê está fortemente empenhado em retornar a inflação ao seu objetivo”, diz o texto.

Inflação nos EUA

A inflação americana vem desacelerando nos últimos meses, o que indica que o Fed poderá encontrar espaço para encerrar em breve o ciclo de altas.

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI) nos EUA fechou junho em 3% no acumulado de 12 meses, a menor inflação desde março de 2021. A meta americana é de inflação em 2%.

“Na descrição da conjuntura econômica, os membros do Fomc afirmaram que a economia está se expandindo a um ritmo moderado e seguiram descrevendo a inflação como elevada”, escreveu, em nota, Sávio Barbosa, economista-chefe da Kínitro Capital.

Apesar disso, a casa trabalha com cenário de que a alta desta reunião foi a última, devido à trajetória mais benigna da inflação.

O resultado da inflação de junho já havia alimentado as expectativas de fim das altas, afirmou em nota Danilo Igliori, economista-chefe da Nomad, mas muitos analistas ainda apostam em novos aumentos, pelo fato de o núcleo de inflação ser resistente e o mercado de trabalho continuar forte.

Para o economista, o comunicado “reforçou essa perspectiva ao não sinalizar de forma explícita” que o ciclo de altas acabou.

“O comunicado do Fomc revela que os diretores se alinham com a postura de que é muito cedo para celebrar o controle do forte e disseminado processo inflacionário que assolou grande parte das principais economias após a pandemia”, disse ainda Igliori.

A alta de juros é instrumento de política monetária dos bancos centrais para conter a inflação. Nos EUA, o Fed começou a subir os juros após a inflação atingir seu maior patamar em 40 anos, no começo de 2022, diante do aumento dos preços de energia causado pela guerra na Ucrânia.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações