metropoles.com

Copom: Banco Central vai ceder à pressão de Lula para reduzir os juros?

Analistas esperam que o Banco Central decidirá manter a taxa básica de juros em 13,75% ao ano, mas sinalização do comunicado é incógnita

atualizado

Compartilhar notícia

Vinícius Schmidt/Metrópoles
Roberto Campos Neto - Metrópoles
1 de 1 Roberto Campos Neto - Metrópoles - Foto: Vinícius Schmidt/Metrópoles

A pressão do governo contra a política de aperto monetário do Banco Central segue elevada. Em evento promovido no feriado do Dia do Trabalhador, em São Paulo, o presidente Lula dedicou, novamente, parte do discurso para atacar o nível da taxa básica de juros.

“A gente não pode viver mais em um país onde a taxa de juros não controla a inflação. Ela controla, na verdade, o desemprego nesse país, porque ela é a responsável por uma parte da situação em que vivemos hoje”, disse Lula na última segunda-feira, em palanque montado pelas centrais sindicais no Vale do Anhangabaú, no centro da capital paulista.

A inflação possivelmente será a razão para o Comitê de Política Monetária (Copom), chefiado por Roberto Campos Neto, do BC, manter a taxa básica de juros em 13,75% em reunião programada para esta quarta-feira (3/5). Não há expectativa, entre analistas, de queda ou alta da Selic nesta decisão.

Na última reunião, o recado do BC ao governo foi claro: não há que se falar em alívio até que a inflação esteja devidamente cuidada. As projeções para os índices de preços em 2023 estão acima de 6%, enquanto o teto da meta de inflação é de 4,75%. O risco, segundo o Copom, de afrouxar a política monetária agora é ter que lidar com um repique inflacionário no médio prazo.

“A evolução do movimento (de desinflação) tem sido lenta, principalmente quando olhamos para os núcleos e os preços de serviços”, observou a equipe econômica da corretora Guide, em relatório sobre o Copom.

Arcabouço fiscal

A novidade, em relação à última decisão de juros, é que o arcabouço fiscal já foi apresentado e está tramitando no Congresso. A nova regra orçamentária prevê um limite para a expansão de gastos, mas foi considerada de difícil execução, partindo das premissas que o Ministério da Fazenda adotou.

Uma crítica frequente entre os economistas que analisaram o arcabouço é que a regra apenas se sustenta se o governo ampliar a arrecadação de forma consistente. Dada a promessa de não aumentar impostos, o cumprimento do arcabouço será desafiador.

“Esperamos um aceno (no comunicado do Copom), assim como foi feito na ata da última decisão, reconhecendo a medida como positiva, mas sem relação direta com a condução da política monetária”, pondera a equipe da Guide.

O próprio presidente do BC, Roberto Campos Neto, tem adotado um tom elogioso para a proposta fiscal apresentada pelo governo, mas isso, por si só, não deve ser suficiente para que os juros comecem a cair desde já.

Meta de inflação

Para os analistas, deve prevalecer no Copom a preocupação com a falta de previsibilidade sobre os rumos da inflação. Além da complexa execução do arcabouço, o mundo continua a lidar com um cenário de preços elevados para diversos produtos e serviços, o que continuará a impactar o custo de vida no Brasil.

Além disso, a discussão sobre uma mudança na meta de inflação segue indefinida e isso tem impacto direto sobre as projeções do mercado para os índices de preços no futuro.

Esse “custo da incerteza” impacta diretamente o prêmio exigido dos investidores para emprestar dinheiro para empresas e para o próprio governo brasileiro.

“Entendemos que a autoridade deverá aguardar a decisão definitiva sobre o regime de metas, que deve ser definido por volta do meio do ano,
a partir de quando esperamos acompanhar o processo de reancoragem das expectativas”, observa a Guide.

Os analistas de mercado prevêem o início do ciclo de queda da Selic apenas para o fim do terceiro trimestre do ano, possivelmente no mês de setembro.

Até lá, o BC deve observar quanto do texto original do arcabouço fiscal será preservado, durante a tramitação no Congresso, e como a regra será executada pelo governo.

Os próximos meses também devem indicar se o aperto de juros nos Estados Unidos causará uma recessão na maior economia do mundo e, caso isso ocorra, quais serão os impactos para a inflação e para a atividade econômica em outros países, como o Brasil.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações