*

Sobe o número de mortos por onda de frio na Europa

Na última semana, condições climáticas causaram mais de 60 mortes no continente, sendo quase metade só na Polônia

Picture-alliance/Empics/J. Barlow
Deutsche Welle
 

O número de mortes causadas pela onda de frio que atinge a Europa – com temperaturas que quebraram recordes negativos para esta época do ano – segue aumentando. Segundo a agência de notícias AFP, mais de 60 pessoas morreram no continente ao longo da última semana.

Entre as vítimas, 23 foram registradas na Polônia, sete na Eslováquia, seis na República Tcheca, cinco na Lituânia e outras cinco na França. As demais mortes ocorreram na Espanha, Itália, Romênia, Sérvia, Eslovênia, Reino Unido, Holanda, Suécia e Noruega, disse a AFP.

Um dos mortos era um sem-teto de Lens, no norte da França, que, segundo a polícia local, acendeu uma fogueira para se aquecer dentro de uma casa abandonada e morreu após inalar fumaça. No mesmo país, na cidade de Saintes, um líbio de 41 anos foi encontrado morto num vagão de trem vazio. As autoridades suspeitam que ele morreu de hipotermia.

Na Áustria, cinco migrantes que teriam sido abandonados por traficantes foram resgatados numa rodovia perto da cidade de Graz nessa sexta-feira (2/3). Alguns deles, segundo a polícia, caminhavam descalços a uma temperatura inferior a zero graus.

Chamada de Besta do Oriente, a onda de frio vinda do Ártico gerou caos também nos sistemas de transporte europeus. Centenas de voos foram cancelados no Reino Unido, na Irlanda e na Suíça, por causa das condições climáticas. Trens pararam, e muitos motoristas foram impedidos de seguir viagem, ficando encurraladas por horas nas rodovias.

Nessa sexta-feira, o Reino Unido convocou militares para ajudar a conter o problema. Enviados ao centro e ao oeste do país, eles transportaram socorristas para locais onde a situação era grave e auxiliaram no resgate de pessoas que tiveram seus veículos bloqueados pela neve.

“As Forças Armadas estão ajudando os serviços de emergência para garantir que a equipe essencial do NHS [serviço britânico de saúde] consiga alcançar as comunidades locais e fazer seu trabalho”, afirmou o Ministério da Defesa do Reino Unido.

Na Irlanda, o acúmulo de neve nas ruas chegou a atingir um metro de altura, enquanto 24 mil pessoas em toda a nação estavam sem energia até a manhã dessa sexta-feira. Por conta das tempestades de neve, turistas ficaram isolados em algumas partes de Dublin, capital do país.

A onda de frio ainda congelou canais em Amsterdã, na Holanda, criando uma camada de gelo tão espessa que pessoas com ou sem patins se aventuraram a passear sobre as águas congeladas do histórico canal de Prinsengracht.

A Itália também registrou temperaturas abaixo de zero, levando ao bloqueamento de uma série de rodovias importantes e ao fechamento de escolas. Em algumas partes do país, autoridades locais recomendaram aos cidadãos que permanecessem em casa.

Na noite de quinta para sexta-feira, o pequeno município de Folldal, no centro da Noruega, registrou uma temperatura de 42°C graus negativos, quebrando o recorde europeu para os últimos dias. Acostumados a condições climáticas difíceis, os moradores, porém, não pareceram se abalar. “A vida segue”, disse a prefeita da cidade, Hilde Frankmo Tveraen, à televisão.

Voos cancelados
Vários aeroportos europeus foram afetados devido à forte nevasca. Mais de 350 voos foram cancelados somente no terminal de Heathrow, em Londres. Os aeroportos de Gatwick, também na capital britânica, Edimburgo e Glasgow também registraram cancelamentos.

Cerca de 340 voos foram cancelados no aeroporto de Dublin, que deve permanecer fechado até este sábado. O terminal em Cork, também na Irlanda, fechou as portas nessa sexta-feira, dada a grande quantidade de neve nas pistas, e tem previsão para reabrir às 6h deste sábado (horário local).

Após passar um dia fechado, o movimentado aeroporto de Genebra, na Suíça, anunciou que estava voltando a operar parcialmente no início da tarde dessa sexta, “apesar das condições meteorológicas desfavoráveis”. As autoridades locais alertaram, porém, sobre a possibilidade de atrasos e cancelamentos, uma vez que as tempestades de neve continuam atingindo a cidade.